Hugh Grant fala sobre Hollywood, hackers e celebridades

quinta-feira, 9 de outubro de 2014 18:47 BRT
 

Por Rollo Ross

LONDRES (Reuters) - O ator Hugh Grant, que se tornou a encarnação do britânico vaidoso e charmoso em comédias românticas como “Quatro Casamentos e um Funeral” e “Notting Hill”, está adorando não ser mais parte de Hollywood.

Grant canalizou seus sentimentos para seu novo filme, “The Rewrite”, no papel de Keith, um roteirista decadente que se muda para uma pequena cidade no Estado norte-americano de Nova York para dar um curso universitário sobre as armadilhas às vezes cínicas, e ocasionalmente bem palpáveis, de Hollywood. O filme estreou nos cinemas britânicos na quarta-feira.

Grant, de 54 anos, também atua ativamente desde 2011 na campanha Hacked Off, dedicada a conscientizar as pessoas sobre as vítimas dos abusos da imprensa. Ele testemunhou no inquérito Leveson sobre a cultura e a ética da mídia britânica e acusou vários tabloides de se intrometerem em sua vida pessoal e grampearem seu telefone.

O ator conversou com a Reuters sobre se livrar do rótulo de galã, abandonar Hollywood e seu envolvimento no Hacked Off.

P: Como você se sente vendo "The Rewrite" ser vendido como uma comédia romântica? Acha isso aceitável?

R: Eu de fato comprei essa briga com a Lionsgate, que é uma distribuidora brilhante, maravilhosa, e no final eles me convenceram de que o mercado está tão sobrecarregado no momento que é preciso passar uma mensagem simples ao público. Você não pode dizer ‘ah, é em parte uma comédia romântica misturada com outros gêneros’. Fica muito confuso. Então eles me dobraram, mas eu consegui tirar ‘romântica’ da comédia (aponta para o pôster do filme).

P: Qual foi seu nível de empatia com a visão de Keith sobre Hollywood, e como sua percepção mudou, já que você passou por aquilo?   Continuação...

 
O ator britânico Hugh Grant chega para um evento no centro de Londres, na Inglaterra, em fevereiro. 18/02/2013 REUTERS/Toby Melville