Berlim planeja festa popular para marcar 25 anos de queda do muro

terça-feira, 14 de outubro de 2014 16:20 BRT
 

BERLIM (Reuters) - A capital da Alemanha irá comemorar os 25 anos da queda do Muro de Berlim com uma grande festa de rua ao redor do Portão de Brandenburgo em homenagem à contribuição das pessoas comuns para acabar com o comunismo no Leste Europeu.

As festividades de 9 de novembro irão contrastar acentuadamente com a solenidade do 20o aniversário, quando dignitários como o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev e o polonês Lech Walesa participaram dos eventos junto ao Muro, outrora um símbolo da divisão na Europa.

O Muro de Berlim, que separou a ilha de Berlim Ocidental do Leste comunista depois que foi erguido em 1961, foi o símbolo mais contundente da Guerra Fria. Pelo menos 136 pessoas foram mortas ou morreram no Muro, a maioria tentando fugir.

Imagens marcantes de alemães emocionados do Leste irrompendo pela fronteira recém-aberta surpreenderam o mundo em 1989 e no ano seguinte, quando as duas Alemanhas voltaram a ser uma.

“Queremos celebrar o papel dos cidadãos na concretização da mudança”, disse Steffen Seibert, porta-voz da chanceler Angela Merkel, delineando os planos para as comemorações com representantes da cidade de Berlim.

Ele citou as dezenas de milhares de pessoas da cidade de Leipzig, no leste alemão, que se reuniram dentro e nos arredores de igrejas para protestar contra o governo comunista, e aquelas que consumaram de fato o fim do regime na Alemanha Oriental.

Merkel, que cresceu do lado comunista, fará um discurso em um memorial na Bernauer Strasse, rua que margeava o Muro onde uma nova exibição será inaugurada, informou Seibert. Mais tarde ela e muitos membros de seu gabinete irão se unir às festividades como convidados.

Até agora não se falou na presença de Helmut Kohl, de 84 anos, chanceler à época da queda do Muro e principal arquiteto da reunificação alemã, nos festejos. Sua saúde está frágil e ele costuma ser visto em uma cadeira de rodas.

“Queremos um festival que encarne a liberdade e queremos comemorar o fato de que tivemos uma revolução pacífica”, afirmou o porta-voz.   Continuação...