Michael Keaton voa alto como ator frustrado em "Birdman"

quinta-feira, 16 de outubro de 2014 10:51 BRT
 

Por Patricia Reaney

NOVA YORK (Reuters) - Michael Keaton pendurou a capa de “Batman" há mais de duas décadas, mas o versátil ator alcançou um novo patamar com uma atuação de fôlego, no momento em que tenta recuperar a carreira na comédia dramática e potencial favorito ao Oscar “Birdman”.

No filme do diretor mexicano indicado ao Oscar Alejandro Gonzalez Iñarritu ("21 Gramas," “Babel”), que estreia nos cinemas dos EUA na sexta-feira, Keaton interpreta o ator Riggan Thomson, o qual, como ele próprio, ganhou fama interpretando um super-herói em uma franquia de ação muitos anos antes.

Mas Riggan é atormentado por seu superego de Birdman e por um sentimento de fracasso e mediocridade, e lança mão de uma desesperada tentativa de reconquistar sua credibilidade profissional e sua autoestima ao montar uma peça na Broadway baseada no conto “De que falamos quando falamos de amor”, de Robert Carver.

“Ele é um personagem realmente complicado, o que sempre dificulta o trabalho, mas o deixa mais interessante também”, disse Keaton, de 63 anos, em entrevista.

“Birdman” é um filme sobre uma peça que Iñarritu engenhosamente filmou no famoso St. James Theater, na Broadway, no que parece uma tomada longa, contínua e sem emendas.

Foi um novo território tanto para o diretor quanto para sua equipe. Cada cena segue o fluxo da próxima, à medida que a câmera segue Riggan por estreitos corredores de teatros, em camarins, para o palco e para fora do teatro na movimentada Times Square, com tambores dando o ritmo.

Keaton disse que nunca viu um filme como esse e admite que houve momentos nos quais ele se questionava por que estavam fazendo daquele jeito, que exigia muitos ensaios, pouco espaço para erros e um comprometimento total dos atores.

“A verdade é que isso não funciona se não fizer assim, porque você não embarca na viagem. Você não conseguiria entrar profundamente”, explicou Keaton.   Continuação...

 
Ator norte-americano Michael Keaton em exibição do filme "Birdman" no Festival de Veneza. 27/08/2014 REUTERS/Tony Gentile