Ator Jeff Daniels ri por último em sequência de "Debi & Lóide"

segunda-feira, 10 de novembro de 2014 20:59 BRST
 

Por Eric Kelsey

LOS ANGELES (Reuters) - O telefone de Jeff Daniels toca, e seus agentes estão na linha.

“Foi uma intervenção”, disse o ator, que tem reputação de fazer papéis sérios em filmes de sucesso, sobre a tentativa fracassada de evitar que ele fizesse a comédia escrachada “Debi & Lóide” com dois diretores novatos duas décadas atrás.

“Vamos impedir isso. Você não vai fazer este filme, e vamos te manter no caminho para o Oscar”, conta Daniels, de 59 anos, lembrando da reação de seus agentes.

Eles não podiam prever que seu papel como Harry, um criador de cães palerma e desempregado, iria se tornar um de seus personagens mais conhecidos e um de seus maiores sucessos de bilheteria.

Daniels reprisa o papel, com a reputação intacta, em "Debi & Lóide 2" ao lado de Jim Carrey, cujo desempenho como Lloyd Christmas, melhor amigo de Harry e igualmente tolo, estabeleceu a fama do comediante como um dos maiores astros de Hollywood.

A aventura desmiolada dos irmãos Bobby e Peter Farrelly irá estrear nos cinemas norte-americanos na sexta-feira e começa com Harry, 20 anos mais velho, mas ainda idiota, precisando de um transplante de rim e incapaz de encontrar um doador adequado.

Isso até que ele descobre uma filha que não sabia ter tido e que foi colocada para adoção. Ele e Lloyd saem em viagem para encontrá-la, mas se envolvem sem querer em uma trama de assassinato.

“Encontre sua filha, encontre seu rim”, exclama Lloyd a um Harry confuso, em um trocadilho com as palavras em inglês “kid” (filha) e “kidney” (rim).

A viagem se desenrola com as típicas trapalhadas irresponsáveis da dupla, inclusive cruzar o país em um carro funerário emprestado e em uma máquina de limpeza de pistas de gelo.

 
Os atores Jim Carrey (esquerda) e Jeff Daniels posam durante pré-estreia mundial do filme "Debi & Lóide 2", em Los Angeles, nos Estados Unidos, na semana passada. 03/11/2014 REUTERS/Danny Moloshok