November 13, 2014 / 1:47 PM / 3 years ago

ENTREVISTA–Paulo Coelho fala de trabalho, pressão e de "Adultério"

3 Min, DE LEITURA

Escritor Paulo Coelho chega para estreia de filme "Anticristo", de Lars Von Trier, em Cannes. 18/5/2009Christian Hartmann

NOVA YORK (Reuters) - Paulo Coelho conquistou um sucesso estrondoso escrevendo romances de temática espiritual, mas a capa de seu novo livro poderia levá-lo facilmente para as prateleiras de autores românticos.

Em “Adultério”, o autor do best-seller “O Alquimista”, elogiado por celebridades como a apresentadora de televisão Oprah Winfrey e o presidente russo, Vladimir Putin, adota uma perspectiva singular sobre um assunto muito discutido.

“Adultério” acompanha uma jornalista suíça que começa a questionar sua vida depois de entrevistar um autor que prefere a paixão à felicidade. Ela embarca em um caso extraconjugal com um namorado de juventude, uma experiência que desperta empolgação, raiva e desespero, e finalmente conduz ao crescimento espiritual.

O escritor Paulo Coelho conversou com a Reuters em Genebra, na Suíça, onde hoje vive.

P: No livro, você é o autor que prefere a paixão à felicidade?

R: Sim, com certeza. A felicidade é um lugar no qual, assim que você chega, não tem mais nada a fazer. Fica entediado. A paixão é um sobe e desce; é como uma montanha russa, sabe, e muito mais interessante para mim.

P: Você já escreveu do ponto de vista da mulher. É mais difícil para você do que da perspectiva masculina?

R: A criatividade é basicamente um processo feminino. Estou convencido de que temos em nossa alma, todos nós, um lado masculino e um lado feminino. Então, no final das contas, você sempre usa a energia criativa feminina para escrever ou realizar qualquer tipo de arte ou criatividade. Por isso, se vejo que minha protagonista é uma mulher, não é mais difícil, não. E mesmo quando o protagonista é homem, escrevo usando esta energia feminina.

P: Qual é a sua visão do adultério?

R: O que vejo é que existem muitas pessoas que destroem seus casamentos por causa de aventuras com outras pessoas. E como dizem os franceses, ‘C'est ne pas grave’ (não é grave). Não é algo fácil de engolir, mas ao mesmo tempo não justifica que você termine um relacionamento duradouro porque algo aconteceu.

Mas, de qualquer maneira, quando escrevi o livro, minha intenção não era julgar o adultério. Era acima de tudo descrever o adultério como as pessoas o veem. E tocar em alguns assuntos que são muito importantes... o livro trata muito mais de como lidamos com nossos desafios hoje, com nossos desafios pessoais.

P: Você sente alguma pressão para agradar o público, ou simplesmente escreve o que quer dizer?

R: Se sentisse qualquer pressão para agradar o público, jamais escreveria um livro chamado “Adultério”. Muitos leitores ficaram chocados, porque estão acostumados com um tipo de livro diferente... então a resposta é não, nenhuma. Senão escreveria sobre coisas com as quais estão familiarizados. E isso seria o fim da minha carreira, porque eu deixaria de ter prazer em fazer o que faço.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below