26 de Novembro de 2014 / às 18:58 / 3 anos atrás

ESTREIA-Keanu Reeves protagoniza cenas de ação em “De Volta ao Jogo”

Ator Keanu Reeves em evento do filme "De Volta ao Jogo" em 24 de outubro. REUTERS/Mario Anzuoni

SÃO PAULO (Reuters) - Apesar de estrelado pelo astro de “Matrix”, Keanu Reeves, quem chama a atenção no thriller “De Volta ao Jogo” é o dublê (que foi de Brandon Lee, no fatídico “O Corvo”) e agora diretor, Chad Stahelski. Coordenando as acrobacias beligerantes de uma dezena de franquias vigorosas, como “Os Mercenários”, “Homem de Ferro” e “Jogos Vorazes”, ele mostra aqui todo seu aprendizado na realização deste filme de ação sobre vingança.

Codirigida também pelo seu colega, outro dublê, David Leitch (não creditado), a história em si faz pouco sentido, mas funciona na interpretação monossilábica de Reeves. Ele faz o assassino profissional John Wick, que se aposentou para casar com Helen (Bridget Moynahan). Mas a moça morre de causas naturais, e deixa para trás um cachorrinho para aliviar a solidão do viúvo.

Depressivo, John acaba sendo vítima de um trio de bandidos russos, liderados por Iosef (Alfie Allen, da série “Game Of Thrones” e irmão da cantora Allie Allen). Não só roubam seu carro predileto, um raro Boss Mustang 1968, mas também matam seu pet – o último resquício de sua esposa e, enfim, o crime maior dos criminosos.

O problema é que Iosef é o filho do chefe da máfia russa local, da qual Wick conseguiu se livrar graças a um sem número de assassinatos. E o pai, Viggo Tarasov (Michael Nyqvist), não quer que o antigo empregado se aproxime do primogênito. Mas quem procura vingança, a encontra em um hotel com fachada de luxo, este pertencente a um figurão, Winston (Ian McShane), em Nova York.

Em cenas realistas, embora o herói teimosamente subestime o poderio de quem ataca, vê-se algo competente dentro da média do que é exigido em filmes do gênero hoje. Depois de tanta violência, John Wick não quer deixar ninguém vivo. Dá tiros no coração, na testa e, sem querer, deixa um recado: adeus Chuck Norris, Charles Bronson, “Os Mercenários” (com a aura de Sylvester Stallone ou Arnold Schwarzenegger), ou mesmo Bruce Lee. Se o negócio é matar, não tem para ninguém, Wick está aí para isso.

(Por Rodrigo Zavala)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below