Estrelas de Hollywood criticam proposta de descriminalizar comércio sexual

segunda-feira, 27 de julho de 2015 14:48 BRT
 

LONDRES (Thomson Reuters Foundation) - Uma série de estrelas de Hollywood, incluindo as atrizes vencedoras do Oscar Meryl Streep, Kate Winslet e Emma Thompson, mostraram apoio a uma petição que pede que a Anistia Internacional rejeite uma proposta interna de descriminalização do comércio sexual.

A entidade global de direitos humanos deve analisar um documento de política interna sobre o trabalho sexual durante um encontro em Dublin, na Irlanda, no mês que vem, de acordo com a Coalizão Contra o Tráfico de Mulheres (CATW, na sigla em inglês).

Se a política for adotada, a Anistia “na prática advogaria a legalização do proxenetismo, da propriedade de bordeis e do comércio de sexo – os pilares de uma indústria sexual global de 99 bilhões de dólares”, afirmou a CATW.

Quase 2.600 pessoas assinaram a petição desde que ela foi publicada no site change.org na semana passada e encampada por ativistas dos direitos das mulheres e celebridades como as também atrizes Emily Blunt, Lena Dunham e Anne Hathaway.

Sediada nos Estados Unidos, a CATW afirmou ter concordado com a Anistia que as pessoas que trabalham com sexo não devem ser criminalizadas ou agredidas por agentes da lei ou governos.

“Entretanto, a descriminalização total do comércio sexual transforma cafetões em ‘homens de negócio’ que vendem indivíduos vulneráveis, na sua maioria com históricos de pobreza, discriminação, falta de moradia e abuso sexual, a usuários de sexo impunemente”, declarou o grupo em um comunicado.

A Anistia Internacional disse estar nos estágios finais da análise de comentários sobre a política em questão, que se baseia em indícios de que a criminalização do trabalho sexual consensual entre adultos pode levar a mais abusos contra os profissionais desta categoria.

(Por Katie Nguyen)

 
Atriz Meryl Streep em Nova York. 21/04/2015 REUTERS/Carlo Allegri