Atriz Amy Schumer defende maior controle de armas nos EUA após atentado em cinema

segunda-feira, 3 de agosto de 2015 19:25 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - Duas semanas após um homem armado ter matado duas mulheres durante uma exibição do filme “Descompensada” nos Estados Unidos, a roteirista e estrela do filme, Amy Schumer, uniu-se a seu primo e senador norte-americano Charles Schumer nesta segunda-feira para pedir por maior controle sobre armas no país. 

A aparição do par em Nova York marcou a primeira vez em que Amy Schumer falou sobre violência por armas de fogo desde que, segundo a polícia, John Houser matou duas mulheres e depois se matou em um cinema de Lafayette, no Estado de Louisiana, em 23 de julho, utilizando uma arma comprada legalmente, embora, em 2008, ele tivesse sido condenado por ordem judicial para tratamento mental em um sanatório.

A lei federal proíbe a compra de armas por qualquer pessoa que tenha sido enviada para uma instalação de tratamento mental, mas não proíbe compras de armas por alguém que tenha voluntariamente se internado ou tenha tido sucesso em refutar a internação compulsória. 

Amy Schumer pediu, nesta segunda-feira, por uma checagem mais completa de antecedentes, ao compartilhar detalhes das vidas das vítimas Jillian Johnson, de 33 anos, e Mayci Breaux, de 21 anos.

“Meu coração vai para Jillian e Mayci, para os sobreviventes, para as famílias e para todos que estiveram ligados às trágicas, insensatas e horríveis ações deste homem que não deveria, primeiramente, ser capaz de colocar suas mãos em uma arma”, disse Amy durante a coletiva.

(Por Katie Reilly)

 
Atriz Amy Schumer durante evento em Las Vegas. 23/4/2015.  REUTERS/Steve Marcus