28 de Agosto de 2015 / às 23:44 / em 2 anos

Steve Jobs é retratado ao mesmo tempo como brilhante e brutal em novo documentário

Steve Jobs segura iPhone em San Francisco. 9/1/2007. REUTERS/Kimberly White

NOVA YORK (Reuters) - Quatro anos após sua morte, o co-fundador da Apple Steve Jobs ainda fascina o público, e duas grandes produções de cinema lançadas nesta temporada se dedicam a analisar sua vida e carreira.

Para o premiado documentarista Alex Gibney, esse é também o momento de se reavaliar a personalidade do rígido perfeccionista que revolucionou o modo como as pessoas se comunicam, mas cuja maneira como tratava amigos, familiares e colegas de trabalho era algumas vezes cheia de contradições.

“Steve Jobs: The Man in the Machine” não traz nenhuma grande novidade factual. Mas o longa contrasta o homem que certa vez aspirou ser um monge budista com o executivo que negou a paternidade de seu primeiro filho no início e presidiu uma companhia que pagava uma ninharia aos operários chineses em fábricas de iPhone, além de ter cortado fundos de seus programas filantrópicos enquanto lucrava bilhões.

“Ele tinha o foco de um monge, mas nada da empatia”, diz Gibney no filme.

O documentário, que chega aos cinemas dos EUA em 4 de setembro, usa filmagens de arquivos e entrevistas com jornalistas, alguns antigos amigos e ex-funcionários da Apple. Tanto a Apple como a viúva de Jobs, Laurene, não quiseram cooperar com a produção.

Outro filme sobre Jobs, o longa “Steve Jobs”, estrelado por Michael Fassbender, está previsto para ser lançado em outubro.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below