ESTREIA-“Nocaute” repete clichês de filmes de boxe mas conta com carisma de Jake Gyllenhaal

quarta-feira, 9 de setembro de 2015 16:42 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - No boxe, assim como em outros esportes, ser canhoto é uma vantagem, por ser um fator-surpresa contra adversários que não estão acostumados com a inversão dos movimentos.

Os boxeadores canhotos, geralmente, usam a posição southpaw para lutar, na qual mantêm o pé e mão direitos à frente, para que o seu melhor soco, o da mão esquerda, venha de trás com maior força para derrubar o oponente.

O termo está no nome original do novo filme de Antoine Fuqua, “Nocaute” (2015), no qual “Southpaw” exerce vários sentidos: além de ser o modo como o protagonista, interpretado por Jake Gyllenhaal, luta, vai de encontro com a ideia de que o destino preparou uma série de surpresas ao personagem e que este surpreende a todos após a sua queda.

Já o título no Brasil é mais apegado a esta sequência de socos que a vida, ou melhor, o roteirista Kurt Sutter aplica em seu protagonista.

A sensação de déjà vu que pode ter acometido o leitor no último parágrafo é a mesma de quem assiste ao filme. Em um subgênero que, por si só, é previsível, tendo “Touro Indomável” (1980) como a principal exceção, mas que ainda assim tem apelo popular, falta neste longa o diferencial de “Menina de Ouro” (2004), “O Lutador” (2008) e “O Vencedor” (2010), ficando em exemplos recentes bem-sucedidos.

No quesito Oscar, porém, a produção pode conseguir uma indicação com a performance de Gyllenhaal, ainda mais porque a Academia deve isto a ele, por ter desprezado o ator em “O Abutre” (2014) na última edição.

Mesmo assim, em sua mistura das fórmulas dos filmes de boxe com a tragédia e o melodrama, “Nocaute” faz com que o espectador – com exceção daqueles que já vão com a defesa armada por não gostarem do ator, do diretor ou do gênero – baixe a sua guarda e queira acompanhar atentamente o que acontecerá com Billy Hope, um protagonista cujo clichê já começa no sobrenome, que significa “esperança” em inglês.

Criado em um orfanato, onde conheceu sua mulher Maureen (Rachel McAdams, em uma personagem mais forte do que a plateia está acostumada a ver), ele encontrou em sua companheira para todas as horas e no boxe um meio de escapar e traçar uma nova trajetória.

O campeão dos meio-pesados vive o seu próprio sonho norte-americano, morando com a família em uma bela mansão, com seus cinturões e seu empresário (Curtis "50 Cent" Jackson) prestes a fechar um lucrativo contrato para as próximas lutas.   Continuação...