Premiê Renzi chama sindicatos de “anti-Itália” por fechamento do Coliseu

sexta-feira, 18 de setembro de 2015 15:36 BRT
 

ROMA (Reuters) - O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, criticou duramente os sindicatos nesta sexta-feira, quando um fechamento temporário do Coliseu de Roma deixou centenas de turistas frustrados.

Os funcionários sindicalizados do anfiteatro romano fizeram uma reunião de duas horas e meia de manhã, mantendo os portões fechados até terem concluído suas discussões.

Eles disseram que a paralisação é um direito seu, mas do lado de fora reinava a confusão – placas em inglês informavam os visitantes que o local histórico não reabriria antes das 23h, ao invés de 11 horas.

“Não permitiremos que sindicatos anti-Itália façam a cultura de refém”, esbravejou Renzi no Twitter, onde também publicou uma foto de multidões de turistas ao redor do Coliseu.

Os funcionários estão em um impasse com o Ministério da Cultura por questões como a falta de pessoal e o atraso nos salários. O Coliseu e a antiga cidade de Pompeia foram fechados temporariamente em julho enquanto os sindicatos debatiam estes problemas.

O ministro da Cultura, Dario Franceschini, disse que iria propor, em uma reunião de gabinete nesta sexta-feira, que museus e sítios culturais sejam incluídos em uma lista de serviços públicos essenciais, como saúde e educação, de forma a restringir as greves.

(Por Isla Binnie)

 
Premiê italiano Matteo Renzi concede entrevista na Cisjordânia.  22/7/2015. REUTERS/Ammar Awad