Centenas de sul-africanos protestam contra músico Pharrell Williams

segunda-feira, 21 de setembro de 2015 18:42 BRT
 

CIDADE DO CABO (Reuters) - Cerca de 500 pessoas se reuniram diante de uma casa de shows da Cidade do Cabo na qual Pharrell Williams deveria se apresentar nesta segunda-feira em protesto a um acordo promocional do músico e produtor norte-americano com a rede varejista sul-africana Woolworths, que tem laços com Israel.

A apresentação do vencedor do Grammy estava marcada para acontecer apesar da manifestação, realizada pela filial local do movimento internacional Boicote, Desinvestimento e Sanções contra Israel (BDS, na sigla em inglês).

“Ao trabalhar com a Woolworths, Pharrell apoia Israel, um país que apoia a opressão da Palestina, um país que é o novo Estado do apartheid”, disse Ashraf Salie, em meio a uma multidão acenando com bandeiras palestinas na entrada do GrandWest Casino, onde Williams deveria cantar.

Marchas pró-palestinos costumam atrair grandes multidões na África do Sul, especialmente na Cidade do Cabo, que tem uma grande comunidade muçulmana.

Williams está colaborando com a Woolworths como diretor de estilo em vários projetos de moda, assim como auxiliando na arrecadação de fundos para a educação.

A Woolworths declarou que não usa artefatos produzidos nos territórios palestinos ocupados por Israel, que menos de 0,1 por cento de seus alimentos vêm do Estado judeu e que etiqueta claramente o país de origem de cada produto que vende.

(Por Wendell Roelf)

 
Cantor Pharrell Williams durante show em Cingapura no GP de Fórmula 1.  18/9/15. 
REUTERS/Divulgação