Austrália sofre pressão para proibir entrada de Chris Brown

quinta-feira, 24 de setembro de 2015 11:18 BRT
 

Por Matt Siegel

SYDNEY (Reuters) - A Austrália estava sob pressão nesta quinta-feira para rejeitar a entrada do cantor de hip-hop norte-americano Chris Brown no país devido ao histórico de violência doméstica, no momento em que o primeiro-ministro Malcolm Turnbull prometeu 100 milhões de dólares australianos para combater a violência contra as mulheres.

Vem crescendo o clamor público para impedir que Brown –cuja condicional, emitida no Estado da Califórnia em 2009 em decorrência de uma agressão à cantora Rihanna, foi revogada em fevereiro– se apresente em cidades australianas em dezembro.

A ministra das Mulheres, Michaelia Cash, falando ao lado de Turnbull em um evento na capital Canberra que ressaltou os novos esforços do governo para enfrentar a violência doméstica, exortou o ministro da Imigração, Peter Dutton, a barrar o artista.

“As pessoas precisam entender que, se você vai cometer violência doméstica e depois quer viajar pelo mundo, haverá países que dizem a você: ‘você não pode entrar aqui porque não tem o tipo de caráter que queremos na  Austrália’”, disse Cash aos repórteres.

Dutton não comentou o assunto publicamente.

A vizinha Nova Zelândia já declarou que Brown não se qualifica para entrar no país em resultado de ato semelhante da Grã-Bretanha, o que lança dúvidas sobre a inclusão da região em sua turnê mundial.

 
Chris Brown durante show em Nova York. 30/08/2013   REUTERS/Carlo Allegri