ESTREIA-Diane Keaton e Morgan Freeman se destacam no frágil "Ruth & Alex"

quarta-feira, 4 de novembro de 2015 16:43 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Ruth (Diane Keaton) e Alex (Morgan Freeman) estão casados há algumas décadas e moram num bairro de Nova York que, de repente, tornou-se hipster, a ponto de seu pequeno apartamento passar a valer 1 milhão de dólares. É difícil resistir à tentação, então resolvem vender o local, com a ajuda de uma corretora (Cynthia Nixon).

Essa é a premissa de "Ruth & Alex", que o diretor Richard Locraine --trabalhando com um roteiro adaptado de um romance de Jill Ciment-- não se esforça muito para expandir.

Diane e Morgan se esforçam, mas não conseguem superar as limitações da narrativa e dos personagens. Há algumas tramas paralelas que pouco acrescentam, como a doença do cachorro do casal e a caçada a um terrorista pela cidade.

Outros fatos são apenas mencionados: Alex é pintor e seus quadros já quase não vendem; ou o fato de que pretendem comprar um apartamento em Manhattan um pouco mais caro do que o atual. Eles teriam uma poupança? Ruth trabalha? São coisas que nunca ficam claras.

O longa atira para diversos lados --comédia, romance, drama, crítica social à exploração imobiliária-- sem nunca decidir o que vai fazer quando crescer. Poderia ter rendido uma comédia cáustica sobre o mercado imobiliário, com a tentativa de Ruth e Alex lucrarem em cima de seu velho apartamento. Mas Locraine escolhe fazer um filme apenas fofo, muito devido ao carisma da dupla de atores.

O terrorista na vizinhança é um problema para a venda do apartamento, que acaba espantando os possíveis compradores, fazendo o casal repensar suas decisões. O entra-e-sai de visitantes é uma desculpa (um tanto esfarrapada) para a exploração da fauna nova-iorquina, com tipos estranhos e outros nem tanto. Mas ninguém permanece em cena tempo suficiente para deixar uma impressão mais profunda.

O que fica são as presenças de Diane e Freeman fazendo (muito bem feito) variações de tipos que já interpretaram diversas vezes. Ele é o homem idoso e sábio, que com fala baixa e pausada transmite seus ensinamentos. Ela, por sua vez, é a mulher pragmática, cheia de energia e sagacidade para lidar com pessoas e resolver problemas.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

 
Atriz Diane Keaton durante cerimônia de premiação do American Film Institute, em Hollywood, nos Estados Unidos, em junho. 04/06/2015 REUTERS/Mario Anzuoni