Documentário mostra outro lado do Bolshoi com agressão a diretor

terça-feira, 24 de novembro de 2015 15:28 BRST
 

Por Farah Nayeri

LONDRES (Reuters) - Sergei Filin, o diretor russo de balé que ficou parcialmente cego após ser atacado com ácido em 2013, é o foco do documentário "Bolshoi Babylon", do canal a cabo HBO, que mostra o outro lado de um mundo que a maioria das pessoas associa com glamour e beleza.

Na noite de 17 de janeiro de 2013, um agressor mascarado atirou ácido sulfúrico no rosto de Filin, então diretor artístico do Balé Bolshoi de Moscou, causando queimaduras graves e o deixando cego de um olho.

    Em poucas semanas, o bailarino solista Pavel Dmitrichenko foi preso por ligação com o ataque, e mais tarde foi condenado a 6 anos de prisão por organizá-lo. Outro réu foi sentenciado a 10 anos de encarceramento.

    Filin, ex-bailarino de destaque do Bolshoi, permaneceu no cargo até julho de 2015, quando seu contrato venceu.

Diferentemente de outros documentários sobre dança, "Bolshoi Babylon" não mostra nada além do lado nada glamouroso do balé: dor física, salários magros, carreiras de curta duração.

    O filme também analisa as circunstâncias do ataque, apresentando os protagonistas um por um, incluindo Dmitrichenko, o homem condenado pelo crime.

    Mas "Bolshoi Babylon" evita mostrar Filin como um mártir. Em vez disso, dá voz a bailarinos que o descrevem como preconceituoso e tirânico, e enfatiza o relacionamento tenso de Filin com o diretor-geral do Bolshoi, Vladimir Urin, indicado pelo Kremlin em setembro de 2013 para colocar ordem na casa.

    Ele e Filin tinham opiniões diferentes sobre como administrar a companhia.   Continuação...

 
Sergei Filin, diretor russo de balé que ficou parcialmente cego após ser atacado com ácido em 2013. 17/09/2013 REUTERS/Maxim Shemetov