ESTREIA-Cauã Reymond é motoqueiro do sertão em “Reza a Lenda”

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 18:07 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Em “Reza a Lenda”, produção nacional que tem sido apelidada de “Mad Max do Sertão”, o arcaico e o moderno duelam pela predominância. O senso de justiça atrelado à crença religiosa impulsiona a trama e motiva os personagens, num cenário de seca apocalíptica.

Dirigido por Homero Olivetto, também autor da história original, o longa acompanha uma gangue de motoqueiros que busca libertar seu povo.

Ara (Cauã Reymond) é o líder do grupo, que conhecemos pelos olhos da jovem Laura (Luisa Arraes), que é resgatada de um acidente nas imediações.

Sem saber onde está e com quem está lidando, ela tem poucas opções, a não ser observar aquelas pessoas. E quando o grupo de motoqueiros rouba a imagem de uma santa, propriedade do poderoso Tenório (Humberto Martins), desperta a ira dele, que promete recuperá-la a todo custo.

O personagens também transitam entre o clichê e o novo. Tenório é o velho coronel do sertão, rico e poderoso, que usa tudo o que tem para oprimir e subjugar os mais pobres. Já Ara é um inconformado com aquela vida coberta de poeira do sertão e sangue das disputas. A fé, então, é o mediador dos embates, como também a proteção e esperança de dias melhores e chuvosos.

Já Laura é uma “moça da cidade” perdida no meio deste mundo que, claramente, não é o seu. Sua presença desperta o ciúme de Severina (Sophie Charlotte), a companheira de Ara.

Essa personagem também foge dos clichês – talvez até daqueles que esperamos da atriz, mais conhecida por seu trabalho em novelas, mas que, aos poucos, tem se firmado em desafios no cinema, como aqui e em “Serra Pelada”. Sua delicadeza está coberta de camadas de couro e poeira do sertão, o que imprime uma dimensão ao seu trabalho.

Olivetto, trabalhando com um roteiro assinado por ele, Patrícia Andrade e Newton Cannito, vai por caminhos inesperados, num resultado nem sempre orgânico, mas, em boa parte do tempo, surpreendente pela criatividade na invenção de personagens e situações inusitadas.

Como é o caso de Pica-Pau, interpretado por Jesuíta Barbosa (“Praia do Futuro”), cujos olhos constantemente arregalados são a maior expressão de sua desconhecida força que vem à tona no clímax do filme; ou Galego Lorde (Julio Andrade, de “Gonzaga – De Pai pra Filho”), uma espécie de xamã do sertão, com quem Ara e seu grupo negociam.   Continuação...