17 de Fevereiro de 2016 / às 18:28 / 2 anos atrás

ESTREIA-Michael Bay reencena crise líbia em “13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi”

Ator John Krasinski chega ao 73º Golden Globe Awards em Beverly Hills, Califórnia. 10 de janeiro de 2016. REUTERS/Mario Anzuoni

SÃO PAULO (Reuters) - Não faltam perseguições de carro, tiros, muitas explosões e testosterona no novo filme de Michael Bay, “13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi”. Todas as marcas da pirotecnia visual do cineasta de grande sucesso comercial e gosto duvidoso estão presentes, além de seus fetiches de exaltação por tudo que seja militar e/ou relacionado a machos alfa.

Há, no entanto, uma certa contenção no uso desses elementos que torna o novo esforço do diretor e produtor um trabalho mais centrado e amadurecido do que seus filmes de franquias, como “Transformers” e “As Tartarugas Ninja”.

O retrato aqui é do ataque à instalação diplomática dos Estados Unidos e ao complexo da CIA em Benghazi, ocorrido entre a noite de 11 de setembro de 2012 e o amanhecer do dia seguinte, que levou à morte do embaixador norte-americano Christopher Stevens e de mais três pessoas.

Baseado no livro de Mitchell Zuckoff, o roteiro de Chuck Hogan acompanha, durante aqueles momentos decisivos, os seis ex-militares contratados para proteger os agentes da inteligência.

O foco recai em Jake Silva (John Krasinski), ex-fuzileiro naval e novato no grupamento. Pelas descrições do amigo dele, Tyrone ‘Rone’ Woods (James Badge Dale), o público conhece junto a dinâmica do serviço e daquele lugar.

Contudo, o tempo gasto nesta apresentação acaba estendendo demasiadamente o filme, já que o segundo e o terceiro ato são dedicados exclusivamente ao fogo cruzado, com detalhismo e tensão. Aliás, a montagem se demonstra um tanto confusa quanto à distribuição espacial de cada um em alguns instantes.

Dentro da equipe, os estereótipos escancaram a função restrita e unilateral dos outros componentes da segurança, como a de alívio cômico de Kris ‘Tanto’ Paronto (Pablo Schreiber).

O roteiro ainda recai em soluções fáceis e incoerentes e no sentimentalismo acentuado por uma trilha sonora exagerada, como na cena totalmente fora de tom no drive-thru do McDonalds.

Novamente abordando uma temática que lhe é cara, Bay traz à tona os conflitos na Líbia causados por grupos rebeldes após a queda do ditador Muamar Kadafi, cuja morte parecia prenunciar um período de paz naquele país.

Só que não foi isso que o futuro trouxe: ao contrário, a falência do Estado líbio fomentou, e ainda alimenta, braços do Estado Islâmico na região. Entretanto, todo o contexto histórico e as consequências da Primavera Árabe ali são apenas assunto para os créditos iniciais e finais, já que o longa prefere a ação pela ação e, claro, unicamente o ponto de vista norte-americano.

(Por Nayara Reynaud, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below