Academia do Oscar processa empresa por oferecer presentes com seu nome a celebridades

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016 17:42 BRST
 

Por Joseph Ax

(Reuters) - Um "lifting Vampire Breast". Um procedimento de enrijecimento facial a laser. Uma viagem de primeira classe de 10 dias a Israel.

Estes são alguns dos serviços incluídos nas bolsas de presentes de 200 mil dólares que uma empresa de marketing prometeu às celebridades que irão comparecer à cerimônia do Oscar no dia 28 de fevereiro.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, que concede os prêmios, quer que o público saiba que não aprovou nenhum destes itens. Em uma ação civil federal apresentada na terça-feira em Los Angeles, a organização acusou a Distinctive Assets de divulgar as bolsas como se fossem artigos promocionais oficiais do Oscar.

"A Distinctive Assets usa as marcas registradas da Academia para melhorar o status de suas 'bolsas de presentes' e criar uma falsa impressão de associação, conexão, patrocínio e/ou apoio", afirma o processo, no qual o fundador da empresa, Lash Fary, é réu.

Nem a Distinctive Assets nem o advogado que a representa responderam de imediato a um pedido de comentários no início desta quarta-feira.

Há anos as bolsas vêm dando dores de cabeça constantes para a Academia, que parou de dar sacolas de brindes a apresentadores e artistas que atuam no espetáculo em 2007, depois que a prática passou a ser investigada com mais atenção pelo fisco norte-americano.