Autópsia da filha de Whitney Houston não é clara se morte foi acidental ou intencional

sexta-feira, 4 de março de 2016 18:53 BRT
 

ATLANTA (Reuters) - O médico legista que investiga a morte de Bobbi Kristina Brown, que passou meses em coma depois de ter sido encontrada inconsciente em uma banheira dentro de casa em Atlanta no ano passado, disse nesta sexta-feira que não poderia estabelecer se a morte foi acidental ou intencional.

A autópsia de Bobbi Kristina, filha de 22 anos dos cantores Whitney Houston e Bobby Brown, confirmou que a intoxicação por drogas e a imersão do rosto dela na água levou a danos cerebrais e pneumonia, apontados como causa oficial da morte.

Os resultados não resolvem a questão sobre se alguém deu a ela um coquetel de drogas mortal, disse o professor de Direito Ron Carlson, da Universidade da Geórgia.

"Há ainda algum suspense e drama", afirmou.

Um juiz determinou na quinta-feira a liberação do relatório da autópsia de Bobbi Kristina Brown, sob objeções de promotores, que disseram que a divulgação iria comprometer uma investigação criminal em andamento. Ninguém foi acusado pela morte dela.

Em um processo, o ex-namorado de Brown, Nick Gordon, foi acusado de causar a morte dela e de roubar sua conta bancária, enquanto a jovem estava em coma.

O porta-voz de Gordon não estava disponível para comentar. Anteriormente, ele chamou o processo de "calunioso e sem mérito".

(Por David Beasley)

 
Cissy Houston e Bobbi Kristina Brown (direita) em Nova York. 22/10/2012 REUTERS/Andrew Kelly