ESTREIA–“Mundo Cão” traz atuações competentes de Lázaro Ramos e Babu Santana

quarta-feira, 16 de março de 2016 17:27 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - “Mundo Cão” é um filme que construiu a publicidade em cima de seu suspense. Quando foi exibido no Festival do Rio, no ano passado, foram distribuídos panfletos dizendo ao público para não revelar o final a outras pessoas, e não estragar o prazer de quem ainda não viu – algo que lembra o letreiro final do francês “As Diabólicas” (55), de Henri-Georges Clouzot, diga-se de passagem.

Os mesmos papeis foram distribuídos nas sessões para a imprensa, pedindo evitar “spoilers” em seus textos. É uma jogada sagaz que desperta o interesse, mas, no final, devolve pouco – ao menos nesse sentido.

Não há nenhuma grande surpresa em “Mundo Cão” – algo como o final de “O Sexto Sentido” ou “Psicose”. O que existe no filme dirigido por Marcos Jorge (“Estômago”) são fatos encadeados, o que é comum a qualquer narrativa, alguns inesperados, outros nem tanto. Não há no filme uma verdade escondida o tempo todo que só se revela no final, “enganando” o público. Fora essa “propaganda enganosa”, o longa encontra em seus protagonistas, Babu Santana e Lázaro Ramos, duas grandes interpretações em meio a suspense e humor deslocado.

Santana (Babu) trabalha no Departamento de Combate às Zoonoses, num tempo em que não havia proibição do sacrifício de animais sadios. Sua vida pacata com a mulher, Dilza (Adriana Esteves), e os filhos, Isaura (Thainá Duarte) e João (Vini Carvalho), é transformada quando captura um rottweiller, aparentemente abandonado, mas que pertence a Nenê (Lázaro) – um chefão do crime violento e sem a menor piedade.

A trama, assinada por Jorge e Lusa Silvestre, acompanha embates desses dois homens a partir desse encontro. A estrutura da narrativa funciona como uma espécie de gangorra, dando protagonismo a cada um dos dois e alternando quem está no topo numa história de vingança.

“Mundo Cão” constrói sua tensão de forma eficiente, até que alguma piada tola apareça no meio do caminho para dissipar o peso que o filme trazia para si. E isso acontece o tempo todo. É uma mistura que funcionou em “Estômago”, filme que deslanchou a carreira de Marcos Jorge, mas que esvazia seu potencial aqui. O filme poderia ser algo como “O Lobo Atrás da Porta”, não fossem as intervenções cômicas deslocadas.

Os cachorros, como no recente “White God”, no fundo, não representam cachorros – simbolicamente, encerram em si relações sociais de poder. Desigualdades sociais se materializam e impulsionam a trama, refletidas nas sucessivas vinganças – que parecem pautadas mais pela revanche pessoal do que qualquer outra coisa.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb