“Rua Cloverfield, 10” tem seu maior trunfo na engenhosa tensão psicológica

quarta-feira, 6 de abril de 2016 20:27 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Primeiro longa de Dan Trachtenberg, “Rua Cloverfield, 10” é uma dessas produções que quanto mais detalhes se dá sobre a trama, menos graça tem a sessão de cinema.

Isso porque conta com a criatividade de J.J. Abrams, produtor do filme, que conseguiu torná-lo uma incógnita, mesmo em um mundo superconectado, onde spoilers cercam os futuros espectadores. A estratégia de Abrams apoiou-se em dois recursos. O primeiro foi lançar oficialmente o filme dois meses antes de estar pronto, o que evitou a pressão por vazamentos durante sua produção. Mas, principalmente, teve sucesso em criar uma ligação com o sucesso de 2008, o terror monstruoso “Cloverfield” (também produzido por ele), sem jamais explicar como ela ocorre – ou se realmente ocorre. Apenas indicou uma suposta “ligação de sangue”. O que pode ser dito é que este novo projeto tem início com Michelle (Mary Elizabeth Winstead) fugindo do que parece uma relação infeliz com o namorado Ben (voz de Bradley Cooper). Na estrada, envolve-se em um acidente (não fica muito claro o que ocorreu) e acaba inconsciente. Quando acorda, percebe que está presa e, não só isso, vivendo no bunker de Howard (John Goodman). A explicação é seca: ocorreu um ataque químico em escala global e o planeta se tornou inabitável. O anfitrião, assim, diz a ela que salvou sua vida, tal como a de um segundo convidado, Emmett (John Gallagher Jr.), e devem ficar ali debaixo de suas regras. A partir da desconfiança entre os personagens, Trachtenberg e Abrams criam uma engenhosa tensão psicológica, que dá vigor à narrativa.

Um trabalho ampliado pelas atuações de Winstead e Goodmam, a sinuosa trilha sonora (Bear McCreary), os ambientes claustrofóbicos desenhados por Ramsey Avery e o movimento de câmera (mesmo em espaços exíguos como a tubulação de ar) de Jeff Cutter. A despeito das ligações com o primeiro “Cloverfield” – que, aqui, parece ter mais a ver com uma relação de marca do que realmente com a história – esta nova produção funciona por si só. E, sem dúvida, funciona melhor quanto menos o espectador conhecer previamente o enredo.

(Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb