Mídia se recusa a entregar gravação para investigação sobre ator Charlie Sheen

quinta-feira, 7 de abril de 2016 18:11 BRT
 

Por Jill Serjeant

NOVA YORK (Reuters) - O site de celebridades RadarOnline.com e o tablóide National Enquirer se recusaram nesta quinta-feira a entregar um material procurado por autoridades que investigam ameaças que, segundo os dois veículos de mídia, o ator Charlie Sheen fez contra uma ex-namorada.

A mais recente comoção envolvendo Sheen, que começou como uma fofoca de celebridades, parece ter se tornado uma batalha pela liberdade de imprensa e um possível caso criminal.

Casado três vezes, Sheen teve sua carreira ofuscada durante anos por seu estilo de vida reconhecidamente irresponsável, passagens por clínicas de desintoxicação e predileção por estrelas pornô como namoradas.

A polícia disse que sua divisão de gerenciamento de ameaças iniciou uma investigação criminal sobre Sheen.

Também nesta quinta-feira, a polícia de Los Angeles compareceu com um mandado de busca à sede de Nova York da American Media, empresa do mesmo grupo do RadarOnline e do Enquirer.

O inquérito policial surgiu após a publicação de reportagens do RadarOnline e do National Enquirer sobre uma gravação de áudio na qual um homem, supostamente o ex-astro da série cômica "Two and a Half Men", é ouvido dizendo que gostaria que alguém "pisoteasse a cabeça" de uma ex-noiva. Nenhuma das mídias publicou o áudio.

O advogado de Sheen não respondeu aos pedidos de comentário.

O editor-chefe da Enquirer e diretor editorial da RadarOnline, Dylan Howard, disse à Reuters nesta quinta-feira que as empresas não possuem planos de entregar documentos ou identificar suas fontes.   Continuação...

 
Ator Charlie Sheen em evento da fundação de Elton John para Aids em Hollywood. 28/2/2016.  REUTERS/Gus Ruelas