Museu do Snoopy no Japão quer atrair antigos e novos fãs

quinta-feira, 21 de abril de 2016 16:10 BRT
 

TÓQUIO (Reuters) - Um Museu do Snoopy dedicado aos desenhos de Charles M. Schulz, o criador da tira cômica de jornal Peanuts (conhecido como 'Minduim' no Brasil), está abrindo suas portas no Japão.

Sediado em Tóquio, o museu temporário é o primeiro derivado do Museu Charles M. Schulz, que fica no Estado norte-americano da Califórnia, fora dos Estados Unidos e estreia com uma exibição intitulada "My Favorite Peanuts".

    A mostra terá itens como desenhos originais e obras em grande escala de Schulz, cujos personagens Charlie Brown, Lucy, Lino e Snoopy conquistaram legiões de fãs em todo o mundo, inclusive no Japão.

    "O Japão, como cultura, valoriza os quadrinhos, e isso provavelmente ajudou um pouco", disse Paige Braddock, diretora de criação da empresa Charles M. Schulz Creative Associates.

    "Sendo eu mesma uma cartunista e fã, adoro vir ao Japão e ver a vasta gama de outros personagens de quadrinhos aqui, mas também acho que existe uma espécie de componente caligráfico na obra de Schulz, em seu traço, que pode ter atraído os fãs japoneses desde o começo."

    A tira de Schulz estreou nos jornais em 1950 e durou até 13 de fevereiro de 2000, um dia depois de o artista morrer aos 77 anos de idade, tendo sido publicada por mais de 2.600 diários de todo o planeta.

    Embora Snoopy seja popular no Japão, o cachorro beagle compete com outros personagens de quadrinhos, como Hello Kitty, e com heróis de mangá.

    "Acho que um pouco do nosso desafio é apresentar Snoopy a fãs de quadrinhos que talvez não o conheçam", opinou Paige.

    "Mas assim que eles descobrirem Snoopy, há verdades universais nas tiras que acho que têm apelo para todas as gerações... porque a tira não trata só de humor, trata de relacionamentos, de fracassos, de alegria, realmente percorre toda a gama de emoções humanas e do hábito de contar estórias."

    O Museu do Snoopy de Tóquio abre para o público no próximo sábado e irá fechar as portas em setembro de 2018.

    (Por Reuters Television em Tóquio)