Comediante alemão diz que Merkel o "entregou de bandeja" para Turquia

terça-feira, 3 de maio de 2016 16:14 BRT
 

BERLIM (Reuters) - Um comediante alemão que está sendo investigado por promotores por ter debochado do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, acusou a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, nesta terça-feira de tê-lo "fatiado" e servido de bandeja a um déspota em seus primeiros comentários públicos desde o início da controvérsia.

Merkel foi muito criticada por permitir que os promotores alemães processassem o satirista Jan Boehmermann depois de ele recitar um poema na televisão em março insinuando que Erdogan pratica atos bestiais e assiste pornografia infantil.

Erdogan, um parceiro crucial de Merkel para lidar com a crise imigratória europeia, havia exigido que a Alemanha apresentasse queixas contra Boehmermann. Erdogan é conhecido por sua sensibilidade às críticas e promotores turcos já abriram 1.800 processos contra pessoas que supostamente o insultaram desde que ele assumiu a Presidência em 2014.

Sob o código criminal alemão, insultos contra líderes estrangeiros são proibidos, mas o governo pode decidir se autoriza ou não que os promotores levem o caso adiante.

Depois de semanas de silêncio, Boehmermann deu uma entrevista sem papas na língua ao semanário Die Zeit, divulgada parcialmente nesta terça-feira.

"A chanceler não deve vacilar quando se trata de liberdade de opinião", disse ele ao Die Zeit na conversa, que será publicada na íntegra na quarta-feira.

"Mas, ao invés disso, ela me fatiou, me serviu de bandeja a um déspota irritadiço e me transformou em um Ai Weiwei alemão", disse, referindo-se ao artista dissidente chinês.

O caso, que se tornou uma rusga diplomática, foi uma dor de cabeça para Merkel, já que a deixou vulnerável a acusações de que está sendo muito condescendente com o líder turco em função do polêmico acordo da União Europeia com a Turquia para deter o fluxo de refugiados para a Europa.

(Reportagem adicional de Thorsten Severin)

 
Comediante Jan Boehmermann durante evento em Hamburgo.    21/08/2012     REUTERS/Morris Mac Matzen/Files