Correspondente da BBC é expulso da Coreia do Norte por reportagem "distorcida"

segunda-feira, 9 de maio de 2016 10:33 BRT
 

Por James Pearson

PYONGYANG (Reuters) - A Coreia do Norte expulsou um jornalista da BBC nesta segunda-feira por suas reportagens, informaram a rede britânica e uma autoridade norte-coreana, enquanto um grupo de profissionais da imprensa estrangeira visitam o isolado país para cobrir um raro congresso do partido governista.

Rupert Wingfield-Hayes foi detido na sexta-feira, quando estava prestes a deixar o país, interrogado durante oito horas e "obrigado a assinar um comunicado", relatou a BBC.

O jornalista britânico, acompanhado de um produtor e um cinegrafista, chegou a Pequim na noite desta segunda-feira pelo horário local oriundo de Pyongyang, capital da Coreia do Norte.

"Obviamente estamos muito contentes por termos saído. Vamos conversar com nossos chefes agora. Mas estamos simplesmente aliviados por termos saído", disse Wingfield-Hayes a repórteres no aeroporto antes de ser levado com seus colegas a um carro.

Wingfield-Hayes "distorceu fatos e realidades" em sua cobertura, afirmou o secretário-geral do Comitê Nacional da Paz da Coreia do Norte, O Ryong Il, ao anunciar que o repórter, que fica sediado em Tóquio, estava sendo expulso e que jamais poderá voltar.

"Eles estavam falando muito mal do sistema, da liderança do país", disse a autoridade a repórteres em Pyongyang, de acordo com um vídeo publicado pela agência de notícias Associated Press.

Na reportagem sobre uma visita a um hospital pediátrico na capital, Wingfield-Hayes disse que os pacientes pareciam "notavelmente bem" e que não havia nenhum médico de verdade de plantão.

 
Jornalista da BBC Rupert Wingfield-Hayes após desembarque em Pequim.    09/05/2016      REUTERS/Kim Kyung-Hoon