ESTREIA–“O Botão de Pérola” resgata história do Chile a partir de sua fronteira

quarta-feira, 25 de maio de 2016 17:58 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Se a luz tem nostalgia, a água tem memória. É dessa ideia que o chileno Patrício Guzmán parte na construção do documentário “O Botão de Pérola”, que forma um díptico com seu filme anterior, “Nostalgia da Luz” (2010). Ganhador do prêmio de roteiro e do ecumênico, no Festival de Berlim de 2015, o longa resgata a história de seu país a partir de sua maior fronteira com a água, que são quase 6,5 mil quilômetros.

Seguindo a mesma estrutura do filme anterior, aqui Guzmán começa com uma investigação metafísica, quase onírica, de linguagem poética combinando história e ciências naturais. Mas não se engane: o interesse do documentarista sempre foi e será a história sangrenta dos anos da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), e isso irá se materializar na segunda parte do longa.

Quando Guzmán se pergunta por que o Chile nunca capitalizou em cima de suas fronteiras marítimas, a resposta vem exatamente de seu passado colonial, e é aí que o documentário começa sua história de genocídio e exploração. As cinco etnias nativas que viviam espalhadas nas fronteiras foram dizimadas por fazendeiros e missionários.

Combinando depoimentos de descendentes com as fotografias do padre e etnólogo alemão Martin Gusinde, o documentário resgata esse tempo que irá encontrar um encerramento simbólico na figura de Jemmy Button, que no século 18 foi levado para a Inglaterra, europeizado, e quando voltou para o Chile não se encontrou mais como nativo, mas também não podia ser inglês.

Mas o assunto é mesmo a água, a mesma que trouxe os colonizadores e levou Jemmy Button e se tornou o túmulo de presos políticos –assim como o deserto do Atacama em “Nostalgia da Luz”.

Aos poucos, Guzmán, que no currículo tem a trilogia monumental “A Batalha do Chile” (1975-1979), entra na história sangrenta do país, criando-se assim um diálogo entre o etéreo (a partir de suas divagações sobre a água) com imagens poderosas de geleiras, entre outras coisas, e o material histórico (a ditadura militar no país).

O resultado transita entre o belo das imagens unidas à poesia do texto narrado pelo próprio diretor e a crueldade dos anos de chumbo chilenos –quando os corpos das vítimas dos militares eram jogados no oceanos presos a um pedaço de trilho de trem para que afundassem e não submergissem mais. Em “O Botão de Pérola”, Guzmán faz um documentário metafísico e histórico cuja força está tanto em sua beleza quanto em seu comentário político.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb