Sobrevivente de Holocausto, prêmio Nobel Elie Wiesel morre aos 87 anos

segunda-feira, 4 de julho de 2016 19:57 BRT
 

Por Bill Trott

(Reuters) - O ativista e escritor Elie Wiesel, sobrevivente de campos de concentração na Segunda Guerra Mundial e ganhador de um prêmio Nobel da Paz por ter se tornado a voz de milhões de vítimas do Holocausto, morreu no sábado aos 87 anos.

Wiesel era filósofo, orador, dramaturgo e professor. Ele morreu em sua casa em Nova York, nos Estados Unidos, segundo o New York Times.

Nascido na Romênia, Wiesel viveu pelo credo expresso em "A Noite", seu livro marco do Holocausto, que trazia a mensagem de que "esquecer os mortos seria semelhante a matá-los uma segunda vez".

Ao premiá-lo com o Nobel da Paz em 1986, o Comitê do Nobel elogiou Wiesel como um "mensageiro para a humanidade" e "um dos mais importantes líderes espirituais e guias em uma era em que a violência, a repressão e o racismo continuam a caracterizar o mundo".

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, saudou Wiesel como um raio de luz, e disse que sua extraordinária personalidade e seus inesquecíveis livros demonstraram o triunfo do espírito humano sobre o mal mais inimaginável.

Wiesel e sua família foram primeiramente levados pelos nazistas da aldeia de Sighetu Marmatiei, na região romena da Transilvânia, para Auschwitz, onde sua mãe e uma de suas irmãs morreram. Wiesel e seu pai, Shlomo, acabaram em Buchenwald, onde Shlomo morreu.

Em "A Noite", Wiesel escreveu sobre a vergonha por ter se deitado silenciosamente em sua cama enquanto seu pai era espancado nas proximidades.

Depois da guerra, Wiesel foi para a França, estudou na Sorbonne e aos 19 se tornou jornalista. Ele cogitou suicídio e nunca escreveu ou falou sobre sua experiência do Holocausto até 10 anos após a guerra, como parte de uma promessa a si mesmo. Ele tinha 27 anos em 1955, quando "A Noite" foi publicado em iídiche. Mais tarde, Wiesel reescreveria o livro para uma audiência mundial.

Em 2008, "A Noite" já havia vendido um número estimado de 10 milhões de cópias, de acordo com o New York Times.

 
O húngaro vencedor do prêmio Nobel da Paz e sobrevivente do Holocausto Elie Wiesel participa de simpósio no parlamento de Budapeste no dia 9 de dezembro de 2009. REUTERS/Laszlo Balogh/File Photo