ESTREIA–Drama venezuelano “De Longe Te Observo” retrata relacionamento ambíguo entre dois homens

quarta-feira, 27 de julho de 2016 16:12 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Foi uma grande surpresa e um fato inédito o filme venezuelano-mexicano “De Longe Te Observo”, do diretor estreante Lorenzo Vigas, ter vencido o Leão de Ouro do Festival de Veneza 2015. A premiação também dividiu opiniões, já que havia concorrentes com credenciais mais expressivas, como o drama “O Clã”, do argentino Pablo Trapero, a animação norte-americana “Anomalisa”, de Charlie Kaufman e Duke Johnson, o docudrama “Francofonia”, do russo Alexander Sokurov, e o britânico “A Garota Dinamarquesa”, de Tom Hooper.

Em “De Longe Te Observo”, Armando (o ator chileno Alfredo Castro) é um protético solitário, de 50 anos, que mantém uma estranha e clandestina vida sexual. Ele procura adolescentes pobres nas periferias de Caracas e paga-lhes bom dinheiro simplesmente para vê-los despidos, incapaz de tocá-los ou deixar-se tocar.

Um desses garotos é Elder (Luis Silva), que mantém com Armando um primeiro encontro que termina em violência. Isso não impede que Armando volte a procurá-lo, criando-se entre os dois uma relação inquietante, tensa e cheia de segredos.

Apesar da notória diferença etária, social e cultural, Armando e Elder compartilham a carência de uma figura paterna que, aparentemente à sua revelia, o protético acaba desempenhando na vida de Elder.

Ator-fetiche do premiado diretor chileno Pablo Larraín, em filmes como “Tony Manero”, “Post Mortem”, “No” e “O Clube”, Alfredo Castro é um ator preciso e magnético e que aqui, como sempre, está em pleno domínio de seu personagem - é capaz de delineá-lo com poucos diálogos e expressões corporais e faciais sutis, mas intensas.

Da mesma forma, o jovem novato Luis Silva tem a energia necessária a Elder, encarnando uma agressividade que encobre mal sua vulnerabilidade extrema, no contexto de uma Caracas desigual e violenta.

O roteiro de Vigas foi desenvolvido a partir de um argumento elaborado por ele e um de seus produtores, o mexicano Guillermo Arriaga (roteirista de Alejandro González Iñárritu em filmes como “Amores Brutos”, “21 Gramas” e “Babel” (que lhe valeu uma indicação ao Oscar de roteiro original, em 2007).

Fiel ao estilo de Arriaga, a história se desenrola a partir de muitas noções fluidas, subentendidas, que deixam ao espectador a tarefa de preencher lacunas. Ainda tendo em vista este pressuposto, o filme deixa à mostra algumas fragilidades, com um desfecho na verdade bastante previsível e uma série de pontas soltas.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

 
Diretor Lorenzo Vigas (C), e os atores Alfredo Castro (E) e Luis Silva posam para foto na apresentação do filme "De Longe Te Observo" 72º Festival de Cinema de Veneza, na Itália 10/09/ 2015. REUTERS/Stefano Rellandini