24 de Agosto de 2016 / às 20:17 / um ano atrás

ESTREIA–Julie Delpy interpreta mãe de rapaz manipulador na comédia “Lolo”

Julie Delpy chega a festa em West Hollywood 3/3/2014 REUTERS/Danny Moloshok

SÃO PAULO (Reuters) - Em seu oitavo trabalho como diretora, a francesa Julie Delpy mostra que amadureceu bem –não apenas fisicamente, mas também como artista. “Lolo: O Filho da Minha Namorada” é uma comédia leve, engraçada e que faz um comentário bastante pertinente sobre os adultos (especialmente do sexo masculino) infantilizados que parecem estar por todos os lados.

Julie –que tem no currículo a cultuada trilogia que começou com “Antes do Amanhecer” (1995)– funciona aqui como corroteirista (com Eugénie Grandval), diretora e protagonista. Ela é Violette, que trabalha na indústria da moda, com pouco tempo para si mesma, mas sempre tem tempo para seu filho Lolo (Vincent Lacoste), apelido para Eloi.

O filme começa com Violette de férias em Biarritz, onde conhece Jean-René (Danny Boon), e logo surge um clima entre os dois, que passam um tempo juntos. Atuando na área de informática, ele está de mudança para Paris. Assim, eles pretendem manter o relacionamento na capital. Porém, quando ela chega em casa se depara com seu filho, que se separou da namorada e vai passar um tempo no apartamento da mãe.

O apelido de Lolo, não por acaso, remete a Lolita – personagem do romance de Vladimir Nabokov. Um dos cartazes do filme também traz o personagem imitando a protagonista do famoso filme de Stanley Kubrick, interpretada em 1962 por Sue Lyon, com direito a óculos vermelhos e pirulito na boca, com pose sensual. A diferença, porém, é que Jean-René não se apaixona pelo enteado, mas é vítima de seu comportamento egocêntrico e mesquinho.

Em público, Lolo, que é aspirante a artista plástico, banca o conquistador e destemido, com jaqueta de couro e tudo mais, mas em casa é extremamente dependente da mãe, a quem sufoca e manipula. Quando Jean-René começa a ganhar espaço na vida de Violette, o rapaz declara guerra.

O foco é como a disputa entre os dois personagens masculinos simplesmente domina a vida de Violette –que também é incapaz de tomar as rédeas da situação. Há bastante humor no duelo entre os dois homens, mas alguns dos melhores momentos do filme simplesmente pertencem a Karin Viard, como a melhor amiga da protagonista, uma fotógrafa sem papas na língua e sem qualquer pudor quando quer curtir a vida.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below