Denzel Washington diz que voltou a ser criança em "Sete Homens e um Destino"

sábado, 10 de setembro de 2016 16:24 BRT
 

Por Agnieszka Flak

VENEZA (Reuters) - Como filho de um pastor, Denzel Washington nunca assistiu a filmes de faroeste na infância, mas andar por aí com armas e cavalos no remake de Antoine Fuqua de "Sete Homens e um Destino" foi como voltar a ser criança, disse ele durante o Festival Internacional de Veneza neste sábado.

A versão de Fuqua para a história de mercenários que são contratados para proteger uma cidade no Velho Oeste de ladrões vai encerrar a 73ª edição do festival de cinema mais antigo do mundo neste sábado. Estreou em Toronto e será exibido em Veneza fora de competição.

"Montar em um cavalo, girar pistolas e fazer tudo isso foi como voltar a ser criança de novo. Foi realmente divertido e eles até nos pagaram por isso", brincou Washington, de 61 anos, em entrevista coletiva. "Eu amo meu cavalo e vou sentir falta dele."

A história é a sobre um bando de foras-da-lei que se juntam para defender uma pequena cidade mineradora das ameaças do barão assassino Bartholomew Bogue (Peter Sarsgaard), depois que uma jovem viúva jura vingança por seu marido morto.

O filme é protagonizado pelo caçador de recompensa Sam Chisholm (Denzel Washington), que traz consigo o alcoólatra e apostador Josh Farraday (Chris Pratt), o atirador de elite Goodnight Robicheaux (Ethan Hawke) e o atirador de facas Billy Rocks (Byung-hun Lee).

A eles, se juntam o batedor Jack Horne (Vincent D'Onofrio), o fora-da-lei mexicano Vasquez (Manuel Garcia-Rulfo) e o nativo americano Red Harvest (Martin Sensmeier).

O filme é um remake do faroeste de 1960 dirigido por John Sturges, que por sua vez é uma versão norte-americana do longa-metragem japonês "Sete Samurais", do diretor Akira Kurosawa (1954). 

Diferente de seus antecessores, o filme de Fuqua tem um elenco mais diversificado, com negros, asiáticos e mexicanos, bem como uma mulher em papel de destaque. Por isso, Denzel Washington considera-o "uma representação mais honesta do que era o mundo" em 1874.

Fuqua disse que sempre foi apaixonado por filmes de faroeste e que o gênero mudou muito sob influência do diretor italiano Sergio Leone e seus Western Spaghettis. 

"De um jeito muito peculiar, os faroestes de Sergio Leone eram mais realistas sobre o que era o Velho Oeste", disse. "Os personagens eram mais duros e mais malvados, o ambiente era difícil, então Sergio Leone foi uma grande influência nessa minha paixão pelos filmes do gênero."