ESTRÉIA-"Noel" destaca lado boêmio do compositor da Vila Isabel

quinta-feira, 1 de novembro de 2007 10:57 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Há mais de dez anos, o publicitário paulistano Ricardo Van Steen mantinha o projeto de filmar uma cinebiografia do compositor carioca Noel Rosa (1910-1937). Ele finalmente concluiu o trabalho neste que é seu longa de estréia, "Noel -- Poeta da Vila", que entra em cartaz em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília nesta sexta-feira.

O ponto de partida foi o livro "Noel -- Uma Biografia", de Carlos Didier e João Máximo, uma das mais completas pesquisas sobre o sambista, que morreu muito jovem, antes de completar 27 anos. Noel deixou como legado nada menos de 250 canções, compostas sozinho ou em parceria, em apenas sete anos (1931-1937).

Quase todas essas músicas são, aliás, conhecidas até hoje, regravadas por vários intérpretes, caso de "Pierrô Apaixonado", "Feitiço da Vila", "Palpite Infeliz" e "Último Desejo". Todas estas e muitas outras fazem parte da cuidada trilha sonora do filme, que teve produção musical de Arto Lindsay.

Para viver o papel de Noel, escalou-se o estreante Rafael Raposo que, depois de perder 14 kg e usar uma prótese no queixo -- para reproduzir o conhecido defeito no rosto de Noel --, ficou impressionantemente parecido com o compositor.

O ator vive na tela a intensa e curta vida do músico, que abandona a faculdade de Medicina para cair na boemia.

Tornando-se amigo e parceiro de compositores do morro, como Ismael Silva (Flávio Bauraqui, de "Quase Dois Irmãos") e Cartola (Jonathan Haagensen, de "Cidade de Deus"), o rapaz branco de classe média aprende tudo sobre o samba. E, contra toda a lógica, torna-se famoso, vende milhares de discos e, em pouco tempo, ganha o bastante para sustentar os pais (Laura Lustosa e Rui Resende).

O filme focaliza uma das maiores rivalidades da vida de Noel, contra o também sambista Wilson Batista (Mário Broder). Noel começa um desafio, compondo "Rapaz Folgado" como resposta a uma música de Batista, "Lenço no Pescoço".

Batista aceita o jogo e responde com "Frankstein da Vila" -- em cuja letra refere-se abertamente ao defeito do queixo de Noel, afundado por fórceps, por ocasião de seu nascimento.

Sem se intimidar, Noel rebate com "Palpite Infeliz". E Wilson continua, com "Terra de Cego". Na verdade, a briga que rendeu tantos sambas de qualidade encobria uma disputa amorosa -- Wilson tinha roubado uma namorada de Noel.   Continuação...