Inquérito sobre Diana é aberto 10 anos após sua morte

terça-feira, 2 de outubro de 2007 08:12 BRT
 

Por Paul Majendie e Michael Holden

LONDRES (Reuters) - Um inquérito sobre a morte da princesa Diana finalmente foi aberto nesta terça-feira, 10 anos depois de ela ter sido vítima de uma batida de carro em Paris.

O pai de seu namorado na época ainda está convencido de que os dois foram mortos por um complô.

Mohamed al-Fayed, dono da luxuosa loja de departamentos Harrods em Londres, conduziu uma longa batalha legal para que o inquérito fosse ouvido por um juiz e um júri. A Alta Corte de Londres deve passar até seis meses decidindo se a morte de Diana foi um acidente ou não.

O empresário nascido no Egito, cujo filho Dodi também morreu no acidente, afirma que os dois foram mortos por forças de segurança britânicas agindo sob ordens da família real.

Al-Fayed quer que até o príncipe Charles, ex-marido de Diana, seja intimado no processo.

"O establishment fez a única coisa que poderia para me magoar. Matou meu filho. Isso eu não posso perdoar", afirmou.

Investigações da polícia da França e da Grã-Bretanha concluíram que as mortes foram um trágico acidente causado por um motorista que corria e que, depois se descobriu, estava bêbado.

Diana, 36, Dodi al-Fayed, 42, e o motorista Henri Paul morreram após o Mercedes em que estavam ter batido dentro de um túnel em Paris. Eles haviam deixado o Hotel Ritz e estavam sendo perseguidos por paparazzi em motos.   Continuação...