Morre escritor dissidente russo Alexander Solzhenitsyn

segunda-feira, 4 de agosto de 2008 09:21 BRT
 

Por Maria Golovnina

MOSCOU (Reuters) - Morreu no domingo o escritor russo Alexander Solzhenitsyn, cujas críticas à tirania do comando soviético o tornaram uma das figuras mais corajosas do Século 20.

Solzhenitsyn, vencedor do prêmio Nobel de literatura, morreu no domingo aos 89 anos, como consequência de problemas cardíacos, em sua casa perto de Moscou.

Na segunda-feira, muitos russos lamentaram a morte de um homem cujo sofrimento expôs o horror dos campos de trabalhos forçados de Josef Stalin, conscientizando uma nação inteira.

Mikhail Gorbachev, o último líder soviético, descreveu Solzhenitsyn como um "homem de destino único cujo nome vai permanecer na história da Rússia".

"Ele foi uma das primeiras pessoas a falar abertamente dos aspectos desumanos do regime de Stalin e das pessoas que viviam sob isso, mas não foram corrompidas", disse Gorbachev, que devolveu a cidadania soviética do escritor, à agência de notícias Interfax.

Por mais de 20 anos, Solzhenitsyn foi um símbolo de resistência intelectual ao regime comunista. Ele era veterano da Segunda Guerra Mundial e passou oito anos em campos de trabalho forçado por criticar o governo soviético.

Ele ganhou o Nobel em 1970. Quatro anos depois, foi exilado porque se recusou a fazer silêncio sobre o passado de seu país. Ele continuou criticando o regime nos Estados Unidos, onde morou até poder voltar à Rússia, em 1994.

 
<p>Foto de arquivo do escritor russo Alexander Solzhenitsyn, ganhador do pr&ecirc;mio Nobel, morto no domingo. Ele &eacute; um dos &iacute;cones de resist&ecirc;ncia ao regime stalinista. Photo by &cedil; Itar Tass</p>