Hollywood vive tensão por ameaça de greve dos atores

quarta-feira, 5 de março de 2008 10:44 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - O último capítulo da tumultuada greve dos roteiristas já foi escrito, mas Hollywood poderá enfrentar uma possível consequência da custosa paralisação -- desta vez estrelando os atores de cinema e televisão.

Enquanto a indústria da TV correu para levar de volta ao ar programas que estavam parados, depois que os roteiristas voltaram a trabalhar há três semanas, a ameaça de uma greve de atores nos próximos meses colocou os estúdios de cinema numa situação de tensão.

Os produtores estão relutantes a lançar qualquer produção que não possa ser concluída antes do término do contrato com a Screen Actors Guild (SGA, a Associação dos Atores de Cinema e Televisão), que termina no dia 30 de junho.

Considerando os 60 dias que geralmente se leva para fazer um filme, mais alguns dias de folga, mais os dias adicionais e re-filmagens que podem ser necessárias, isso significa que poucos filmes de grandes estúdios começarão a ser filmados depois do fim deste mês, de acordo com especialistas da indústria cinematográfica.

"Os estúdios não estão autorizando nenhum filme que teria de ser produzido depois de 30 de junho", disse um membro de uma das agências de atores que não foi autorizado a falar publicamente sobre os clientes.

As agitações inclusive fizeram com que a maior seguradora de Hollywood, a Firemans Insurance Co, oferecesse uma cobertura inédita de "custos de greve" para os estúdios.

O plano cobriria os custos de produções paradas caso ocorram greves, dano de equipamentos, atores doentes, entre outras perdas inesperadas que adiem as filmagens para depois de 30 de junho.

Para entrar na cobertura, as filmagens devem estar prevista para terminar dia 15 de junho e precisam já ter uma apólice de finalização, que cobre os prejuízos caso um filme não possa ser terminado a tempo ou estoure o orçamento.

PREJUÍZO DE US$3 BI   Continuação...