CORREÇÃO-Filme sobre Hunter S. Thompson foca obras do escritor

segunda-feira, 7 de julho de 2008 17:40 BRT
 

(Corrige no 8o parágrafo que Thompson escreveu sobre os Hells Angels para a revista The Nation, e não para a Rolling Stone)

Por Christine Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Quando o diretor premiado com o Oscar Alex Gibney começou a rodar a história do jornalista norte-americano Hunter S. Thompson em seu funeral, o momento foi, segundo ele, "um dos maiores fracassos" na criação do documentário.

"Ninguém queria falar, então apenas ficamos ali, com a equipe de câmera pedindo coisas do serviço de quarto. Foi patético", disse Gibney, recordando o funeral de Thompson, em 2005, que custou estimados 2 milhões de dólares, pagos pelo ator Johnny Depp, e teve a presença de outros amigos famosos do escritor e jornalista, como o ator Bill Murray.

"Para eles, era o funeral de Hunter, alguém de significado muito pessoal", contou Gibney. "Eles não me conheciam. Ficaram pensando 'quem é esse sujeito?'."

Mas, contando com a ajuda eventual de Depp e do editor da Vanity Fair, Graydon Carter, para ter acesso aos registros de Thompson, Gibney conseguiu concluir "Gonzo: The Life and Work of Dr. Hunter S. Thompson", lançado nos Estados Unidos semana passada.

Hunter Thompson ficou famoso por desenvolver um estilo de jornalismo que ficou conhecido como "gonzo", relatado na primeira pessoa e empregando técnicas de ficção, e também por seu consumo frequente de álcool, comprimidos e alucinógenos. Ele se matou com um tiro em sua casa no Colorado, aos 67 anos.

As primeiras resenhas críticas elogiaram o filme, que centraliza mais os escritos de Thompson e seu impacto sobre o jornalismo moderno que seus experimentos com drogas.   Continuação...