Carla Bruni: das passarelas ao Palácio do Eliseu

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008 16:25 BRST
 

Por James Mackenzie

PARIS (Reuters) - A cantora e ex-supermodelo italiana Carla Bruni levará uma dose de glamour ao Palácio do Eliseu se seu surpreendente romance com o presidente Nicolas Sarkozy terminar em casamento.

Estrela da passarela que converteu-se em cantora de voz rouca, Bruni, herdeira de uma rica dinastia de industriais italianos, personifica um universo de glamour culto que está muito distante do mundo do outsider ambicioso que conquistou a presidência francesa no ano passado.

Sua indiferença aristocrática às convenções burguesas e seus relacionamentos com roqueiros e intelectuais também parecem indicar que ela se enquadraria bem na elite cultural parisiense que se presume normalmente que Sarkozy despreze.

O presidente, ex-advogado e representante da "França que acorda cedo", tem pouco interesse conhecido pelas artes, excetuando sua amizade com o roqueiro francês Johnny Hallyday. Ele declarou certa vez: "Não sou intelectual."

Mas não havia dúvida quanto a seus sentimentos quando ele e Bruni passearam pelas pirâmides egípcias de mãos dadas ou se divertiram juntos numa praia do Egito no mês passado.

"É sério", disse Sarkozy, 52 anos, à imprensa, mas provocou especulações febris quanto a uma possível data do casamento quando acrescentou: "É bem provável que vocês tomem conhecimento disso quando já tiver acontecido."

A morena, alta e esbelta Carla Bruni, 40 anos, tem uma certa semelhança física com a segunda mulher de Sarkozy, Cecilia, que não fez segredo de sua aversão pelo papel de primeira-dama e passava pouco tempo no Palácio do Eliseu.

Mas, se chegar a ser primeira-dama, Bruni inaugurará um tom totalmente distinto do de Bernadette Chirac, a temível esposa do ex-presidente Jacques Chirac, cujo estilo era inconfundivelmente o de uma "grande dama" da burguesia francesa antiquada.   Continuação...