23 de Outubro de 2007 / às 03:45 / em 10 anos

MOSTRA-Filme desconstrói mito de Ian Curtis, voz do Joy Division

Por Fernanda Ezabella

<p>Cena do filme 'Control', sobre a curta trajet&oacute;ria do l&iacute;der da banda Joy Division, Ian Curtis. O filme ser&aacute; exibido na sexta-feira na 31a Mostra Internacional de S&atilde;o Paulo. Photo by Reuters (Handout)</p>

SÃO PAULO (Reuters) - Com diálogos mínimos e trilha sonora no máximo, o filme em preto e branco “Control” narra a curta vida de Ian Curtis, enquanto ele se equilibrava entre a banda britânica Joy Division, sua mulher Debbie e sua amante Annick.

“Control”, que será exibido na sexta-feira na 31a Mostra Internacional de São Paulo, tem direção do fotógrafo holandês Anton Corbijn, especializado em música e responsável pelas fotos mais famosas do Joy Division, também em preto e branco.

Esta é sua estréia em longa de ficção, embora já tenha rodado videoclipes do Depeche Mode, Johnny Cash, U2 e Nirvana.

O Joy Division foi formado em Manchester, no final dos anos 1970, em meio a shows de David Bowie, Sex Pistols e Buzzcoks, referências presentes no filme. Com a morte do vocalista, aos 23 anos, a banda deu origem ao New Order.

O papel principal é do ator desconhecido Sam Riley, que é também cantor e guarda uma estranha semelhança com Curtis, inclusive quando dança no palco, em um transe mais parecido com seus ataques epiléticos.

A importância que as mulheres ganham neste filme --Debbie e Annick-- pode frustrar os fãs mais interessados em histórias do grupo, conhecido por sucessos como “Love Will Tear Us Apart” e “Transmission”.

Mas a resposta para esta ótica feminina pode estar no fato de o roteiro ser baseado no livro da própria Debbie, que também assina a co-produção. Os dois se casaram muito jovens e tiveram uma filha, a qual ele ignora solenemente no filme.

E, mesmo afirmando seu amor pela jornalista amadora Annick Honoré, Curtis não consegue ficar longe de Debbie. Ao saber da amante, ela ameaça com o divórcio, mas ele pede para ela desistir.

Entre as dúvidas do coração, o sucesso estressante da banda e os constantes ataques epiléticos, Curtis se enforca na cozinha de sua casa, um dia antes do embarque do Joy Division para a primeira turnê nos Estados Unidos, em 1980.

Somando tudo isso, o péssimo marido com o abandono da banda em pleno auge, o filme desconstrói o mito Ian Curtis, um jovem um tanto depressivo e egoísta, até hoje cultuado e referência para bandas novas como Interpol, She Wants Revenge, The Killer e muitas outras.

“Control” também passa longe do estereótipo “sexo, drogas e rock and roll”. Curtis, de fato, carrega na mochila seus vidros de remédios, mas para tentar conter sua epilepsia. E a única cena de sexo se passa debaixo do cobertor e termina com Curtis chorando, talvez atravessado pela culpa da traição.

O filme foi exibido no Festival de Cinema de Cannes deste ano, em maio, um dia antes do aniversário de 27 anos da morte de Curtis. O baterista Stephen Morris contou aos jornalistas no festival como se sentiu quando soube que Curtis se enforcara:

“Acho que foi um choque, mas o que eu senti foi muita raiva --raiva por ele ter sido tão estúpido”, disse. “Quando uma pessoa comete suicídio, deixa um monte de perguntas sem resposta para as pessoas que sobram-- e as fere muito mais.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below