Zélia Gattai morre aos 91 anos em Salvador

sábado, 17 de maio de 2008 17:52 BRT
 

Por Fernanda Ezabella

SÃO PAULO (Reuters) - A escritora Zélia Gattai, autora de "Anarquistas Graças a Deus" e viúva de Jorge Amado, morreu aos 91 anos na tarde deste sábado, informou o hospital onde ela estava internada.

Ela estava Hospital da Bahia, em Salvador, desde meados de abril, quando passou por uma cirurgia para desobstrução intestinal.

Segundo boletim médico divulgado pela manhã, o estado de saúde dela havia evoluido com gravidade e o quadro clínico de choque circulatório era irreversível. Ela respirava com a ajuda de aparelhos.

Gattai foi a quinta mulher eleita para a Academia Brasileira de Letras. No ano de 2001, ela sucedeu o escritor baiano na cadeira número 23, após sua morte no mesmo ano, aos 88 anos.

Filha e neta de imigrantes italianos, Gattai nasceu na cidade de São Paulo no dia 2 de julho de 1916. Envolvida na luta política operária de sua família, conheu Amado anos depois, no movimento pela anistia dos presos políticos, em 1945.

"Ela é uma escritora de personalidade própria", disse na época da eleição para a ABL o presidente da casa, Tarcísio Padilha. "Há escritores que escrevem muito bem, mas, quando o livro acaba, deixa uma sensação de vazio. Ela não, ela capta a alma. E é uma grande figura humana."

O primeiro e mais famoso romance de Gattai, "Anarquistas Graças a Deus", sobre a vida de seus pais imigrantes na capital paulista no começo do século 20, foi escrito e publicado quando ela já tinha 63 anos.

"A confiança que Jorge depositou em mim assustou-me, comoveu-me", lembrou Gattai em seu discurso de posse na ABL. "Pois o conhecia demais para saber que jamais ele me exporia ao ridículo, aconselhando-me a escrever um livro se não me achasse capaz de fazê-lo."   Continuação...