ESTRÉIA-Conflitos adolescentes guiam a comédia "Superbad"

quinta-feira, 18 de outubro de 2007 09:11 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A ansiedade sexual da adolescência é o centro da comédia "Superbad -- É Hoje", que estréia em circuito nacional nesta sexta-feira.

Apesar de estrelada por uma série de caras novas, caso dos protagonistas Jonah Hill, Michael Cera e Christopher Mintz-Plasse, o filme liderou as bilheterias nas duas primeiras semanas de estréia nos Estados Unidos, em agosto passado.

O nome mais conhecido da equipe é mesmo o do produtor Judd Apatow, roteirista e diretor dos recentes "Ligeiramente Grávidos" e "O Virgem de 40 Anos". O diretor, Greg Mottola (de "Um Dia em Nova York"), estava recentemente dedicado mais a seriados de TV, como "Arrested Development" e "The Comeback".

A razão do sucesso de público nos EUA certamente está na identificação do público jovem masculino com as angústias do trio de protagonistas.

Nada atraentes, nem tão bons alunos, eles não têm nenhuma popularidade em sua escola. Só eles apreciam a companhia um do outro. Até o dia em que, quase por milagre, a garota mais popular da escola, Jules (Emma Stone), convida Seth (Jonah Hill) para uma festa em sua casa. Mas com uma condição: ele tem de levar a bebida.

Percebendo que seu futuro amoroso depende do sucesso do desafio de conseguir bebida mesmo sendo menores de idade -- proibidos, portanto, de comprá-la normalmente --, Seth e os inseparáveis amigos Evan (Michael Cera) e Fogell (Christopher Mintz-Plasse) vão para o tudo ou nada.

Isto significa tentar roubar ou associar-se a tipos não muito respeitáveis, contanto que a preciosa bebida seja comprada.

A felicidade do trio vai encontrar ainda outros obstáculos, como dois policiais (interpretados por Bill Hader e Seth Rogen, que é um dos roteiristas, ao lado de Evan Goldberg). Assumidamente, não faltam elementos autobiográficos dos roteiristas no relato das desventuras dos garotos, dois deles batizados com seus prenomes (Seth e Evan).

A festa, finalmente, contemplará uma série de situações mais ou menos constrangedoras, algumas escatológicas, todas descritas por diálogos recheados de palavrões. Um universo que remete a inúmeras produções do gênero, como a trilogia "American Pie".

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)