Vila Isabel canta o trabalhador em Carnaval da família real

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008 12:02 BRST
 

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Em um ano dominado por enredos sobre os 200 anos da chegada da família real portuguesa ao Brasil, um grito pela valorização do trabalhador saído do bairro de Noel Rosa promete se destacar na avenida.

Misturado ao luxo que prometem ser os desfiles da São Clemente, Mocidade Independente de Padre Miguel e Imperatriz -- cada uma com uma leitura diferente do início da vida da corte portuguesa no país, a Vila Isabel resgatou um tema da década de 1950 que não chegou a ser realizado pela escola: "Trabalhadores do Brasil".

Apostando na presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no desfile da Marquês de Sapucaí, apesar de todos os anos os rumores de sua vinda nunca se confirmarem, a Vila vai homenagear os movimentos trabalhistas do Brasil.

"Não vai ter menção direta (ao Lula), mas a homenagem está muito clara na letra do samba-enredo", disse à Reuters Adeilson Telles, primeiro-secretário da CUT Nacional, que apóia a escola.

Telles, que acompanhou o dia-a-dia da construção do Carnaval da escola azul e branca ao longo de 2007, afirmou que o apoio da CUT é apenas institucional. O dinheiro ficou por conta da Petrobras, Nestlé, HSBC e Ticket Restaurante.

Boatos de um novo patrocínio do presidente Hugo Chávez, que em 2006 bancou o Carnaval campeão da Vila, foram totalmente negados por representantes da escola.

O enredo vai contar desde a descoberta do Brasil --com um toque de ironia em relação à fama de preguiçoso do brasileiro-- até os dias de hoje, passando pela época dos escravos, a chegada dos imigrantes, a era Getúlio Vargas, a ditadura militar e as greves do ABC.

Mas é possível que haja algum personagem barbudo nesse Carnaval?   Continuação...