Niemeyer diz que Fidel continua na luta contra imperialismo

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 17:45 BRT
 

Por Fernanda Ezabella

SÃO PAULO (Reuters) - O arquiteto carioca Oscar Niemeyer, comunista histórico e citado no texto de renúncia à Presidência de Fidel Castro, acredita que os embates entre Cuba e os Estados Unidos irão continuar e que o líder não abandonará a luta.

"É claro que, apesar da tristeza com que o povo cubano acompanha os acontecimentos que se seguem à renúncia de Fidel, sobra para ele e toda a América Latina a certeza de que o grande líder continuará a participar desta luta contra as forças reacionárias do imperialismo norte-americano", escreveu Niemeyer em uma nota à imprensa.

Na mensagem anunciando sua saída, publicada nesta terça-feira, Fidel, de 81 anos, citou o amigo, dizendo "penso como Niemeyer, que se deve ser consequente até o final".

Niemeyer, 100 anos, nunca visitou Cuba, mas já recebeu Fidel em seu escritório em Copacabana. Ele também desenhou diversos projetos não realizados para a ilha, como a embaixada brasileira.

Recentemente foi inaugurada em Havana uma escultura de aço de Niemeyer, de quase 10 toneladas, na qual aparece um monstro indo contra um pequeno homem segurando a bandeira de Cuba estilizada. A obra representaria, nas palavras de Niemeyer, "a luta contra o imperialismo".

"CRÔNICA DA RENÚNCIA ANUNCIADA"

Para a historiadora Claudia Furiati, autora de "Fidel Castro: Uma Biografia Consentida", a notícia da saída do líder cubano "era uma crônica da renúncia anunciada".

"Antes mesmo da doença dele, Fidel já vinha passando pouco a pouco suas atribuições a outras pessoas, todas do círculo cubano, entre elas o próprio irmão dele, Raúl", disse Furiati, que pressentiu essa saída estratégica desde que terminou seu livro, na virada do século.   Continuação...