ESTRÉIA-"Sombras de Goya" retrata época marcada pela Inquisição

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007 10:28 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Muito mais do que um filme biográfico sobre a figura do grande pintor espanhol Francisco de Goya (1746-1828), "Sombras de Goya", do cineasta tcheco Milos Forman ("Amadeus"), procura retratar a época em que ele viveu, conturbada por guerras e pelos excessos da temida Inquisição espanhola.

O filme entra em cartaz em São Paulo nesta sexta-feira, e no Rio de Janeiro, na terça de Natal.

Goya, interpretado pelo sueco Stellan Skarsgard (de "Piratas do Caribe"), aparece no filme como um angustiado observador que, protegido por seu status de artista preferido da monarquia, escapará de ser vítima direta dos inquisidores. Mas não terá poder de impedir seus abusos contra alguns de seus amigos.

Escrito a quatro mãos por Milos Forman e pelo consagrado roteirista francês Jean-Claude Carrière, o roteiro parte do momento em que Goya convida a posar para ele a jovem Inês Bilbatua (Natalie Portman), filha de um rico comerciante local. Fiel à beleza de sua modelo, seu retrato torna-se rapidamente uma das maiores atrações do ateliê do pintor.

Para sua desgraça, Inês atraiu também a atenção dos inquisidores. Ao vê-la recusar um prato de carne de porco, numa noite em que saíra com seus irmãos, espiões da Igreja a denunciam por "judaísmo" e ela é convocada para um interrogatório.

Na sede da Inquisição, o clima é sempre mais favorável a uma condenação, não só para Inês, como para todos que têm a infelicidade de se tornarem seus alvos.

Submetida à tortura, a jovem conhece o horror e a solidão, sem que sua família possa fazer nada a respeito. O fundamentalismo cristão dava as cartas naquela sombria Espanha dos reis Carlos 4o (Randy Quaid) e Maria Luisa (Blanca Portillo, de "Volver").

Há uma última esperança para Inês e ela está nas mãos do padre Lorenzo (Javier Bardem). Apesar de não chefiar a Inquisição, ele é um conselheiro suficientemente hábil para influenciar suas decisões. Ao visitar Inês em seu calabouço, porém, Lorenzo é dominado por suas próprias tentações.

Enquanto isso, o sensível Goya nada mais pode fazer do que traduzir em suas telas estes e outros horrores de seu tempo. O principal deles é a invasão das tropas francesas, que abalará a Inquisição mas também dizimará a Espanha.

É sempre bem-vindo observar como o veterano Forman, de 75 anos, realiza um filme assim vigoroso. O diretor de "O Mundo de Andy" (1999), colecionador de Oscar em "Um Estranho no Ninho" (1975) e "Amadeus" (84) não perdeu o jeito, nem a energia.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

 
<p>O cineasta tcheco Milos Forman. Muito mais do que um filme biogr&aacute;fico sobre a figura do grande pintor espanhol Francisco de Goya (1746-1828), 'Sombras de Goya', de Milos Forman ('Amadeus'), procura retratar a &eacute;poca em que ele viveu, conturbada por guerras e pelos excessos da temida Inquisi&ccedil;&atilde;o espanhola. Photo by David W Cerny</p>