Filme francês vence em Cannes após 21 anos de jejum

domingo, 25 de maio de 2008 17:53 BRT
 

Por Mike Collett-White e James Mackenzie

CANNES, França (Reuters) - Vinte e um anos depois de Maurice Pialat e seu filme "Sob o Sol de Satã", o filme de um cineasta francês sobre salas de aula levou por unanimidade a Palma de Ouro do Festival de Cannes, na sua 61a edição.

O filme "Entre les murs", ainda sem título em português, foi dirigido por Lauren Cantet e baseado no filme autobiográfico de Franços Begaudeau. A obra estava entre os favoritos para os principais prêmios.

É provavelmente uma escolha popular entre os críticos e jornalistas, que elogiaram o poderoso retrato da energia e da tensão das salas de aula, e sua exploração de temas universais como raça, individualidade, democracia e confiança.

"O filme que queríamos fazer tinha que ser uma reflexão da sociedade francesa-múltipla, de várias faces, complexa", disse Cantet no palco da cerimônia de entrega dos prêmios, onde estava acompanhando pelo grande elenco formado por adolescentes.

Era esperado que o presidente do juri, Sean Penn, favorecesse filmes com contexto social e político após a coletiva de abertura, quando ele afirmou que o vencedor seria um diretor que estivesse "consciente do momento em que ele vive".

Outro prêmio entregue de forma unânime pelo juri foi o prêmio de melhor interpretação masculina para Benício de Toro, que interpreta o papel de Che Guevarra no "Che", um longa metragem de Steven Soderbergh onde o brasileiro Rodrigo Santoro interpreta Raúl Castro.

"Eu gostaria de dedicar este prêmio para o homem em pessoa, Che Guevarra", disse Del Toro.

O prêmio de melhor interpretação feminina ficou com a brasileira Sandra Carveloni, que interpreta a mãe de quatro filhos sobrecarregada de trabalho no filme nacional "Linha de Passe", do cineasta Walter Salles.   Continuação...