Grupo de Cacá Rosset faz 31 anos e encena comédia de Shakespeare

quarta-feira, 28 de maio de 2008 17:50 BRT
 

Por Fernanda Ezabella

SÃO PAULO (Reuters) - Ensaios de luta livre para encenar Shakespeare? O resultado é a comédia "A Megera Domada" da companhia teatral Ornitorrinco. O grupo, do irreverente diretor Cacá Rosset, comemora 31 anos com um livro e a nova montagem, com estréia no sábado em São Paulo.

"A Megera Domada" é a terceira peça do autor inglês do século 16 que a companhia paulistana encena em suas três décadas, marcadas por mais de 20 montagens e mais de 30 prêmios nacionais e internacionais.

A nova produção traz todos os elementos que fizeram o grupo famoso, como circo, dança, música, uma certa nudez e um ritmo desenfreado do teatro físico, desta vez intercalado por lutas cômicas entre os dois personagens principais.

São cerca de 20 atores no palco, incluindo quatro músicos que fazem sonoplastias e a música das canções inseridas no texto original. O figurino é de época, exuberante, mas sem nada de poeirento, com cores vibrantes e cheio de listras pop.

A comédia de costumes conta a história de Catarina, mulher bela porém irascível, que encontra um homem a sua altura, Petruchio. Decidido a se casar por um bom dote, ele topa encarar a megera, transformando Catarina em uma aparente esposa submissa após um longo duelo de forças.

"Tivemos que treinar luta livre... pegar os macetes da luta livre, que na verdade são as reações...o outro não está te machucando, mas você faz a reação", disse na noite de terça-feira a atriz Christiane Tricerri, fazendo caretas de dor para os jornalistas.

Ela interpreta a "megera" como uma adolescente mimada e explosiva. Cacá faz Petruchio, como um homem sádico e determinado, além de dirigir e traduzir o texto.

"Claro que tem na tradução essa pitada do Ornitorrinco, do Brasil", disse a atriz. "Não tem motivo para engessar a obra, ao contrário, você tem que tirar o pó da obra. Para torná-la viva novamente, você tem que, entre aspas, desrespeitá-la."   Continuação...