Escola de samba retira ala Hitler e suásticas após protesto

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008 18:32 BRST
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A preocupação de entidades judaicas com referências ao Holocausto no Carnaval levou uma escola de samba do Rio de Janeiro a cortar de seu desfile uma ala chamada Hitler e fantasias com a cruz suástica.

A decisão da Estácio de Sá, do Grupo de Acesso carioca, acontece ao mesmo tempo em que um carro da Viradouro representando o Holocausto despertou a preocupação do Centro Simon Wiesenthal, um dos mais importantes grupos internacionais judaicos de direitos humanos.

Após o vazamento na Internet de uma foto das fantasias militares com a suástica, a Federação Israelita do Rio de Janeiro (Fierj) fez um pedido à Estácio de Sá para que o símbolo fosse retirado do desfile.

"Nós pedimos para não utilizar a simbologia nazista, que é contra a lei brasileira", disse por telefone o assessor de imprensa da Fierj, José Roitberg, nesta quarta-feira.

O diretor de Carnaval da escola, Marcos Aurélio Fernandes, respondeu em carta recebida pela Fierj nesta quarta-feira dizendo que "as fantasias contendo desenhos com a cruz suástica, bem assim a ala Hitler, foram abolidas do nosso Carnaval".

Uma cópia da carta da escola, datada de terça-feira, foi obtida pela Reuters.

A ala Hitler, composta por um carro alegórico representando um tanque, fazia referência à 2a Guerra Mundial. O confronto teria sido previsto pelo profeta Nostradamus, que será lembrado pela escola no enredo "O Futuro da História", de acordo com um diretor da agremiação.

O carro continua no desfile, e os componentes sairão vestidos apenas como militares, segundo a escola.   Continuação...