ESTRÉIA-"Baby Love" expõe contradições da França contemporânea

quinta-feira, 25 de setembro de 2008 11:03 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A julgar pela comédia dramática "Baby Love", que estréia em São Paulo na sexta-feira, a França é um país de paradoxos. O aborto é legalizado e acessível, mas um casal de homossexuais, mesmo que dentro de uma união estável e financeiramente bem, não pode adotar uma criança.

Escrito e dirigido por Vincent Garenq, o filme não pretende levantar nenhuma bandeira, mas fazer uma crônica em torno da causa -- o que acaba sendo muito mais eficiente.

A questão é que o pediatra Manu (Lambert Wilson, de "Missão Babilônia") sente uma urgência em ser pai, mas seu companheiro Phillippe (Pascal Elbé) nem pensa no assunto. Para poder adotar uma criança, o médico terá de se passar por heterossexual durante a visita de uma assistente social que pode aprovar o seu processo.

Se por um lado isso incita a comédia, o gay se passando por hétero para enganar uma pessoa, "Baby Love" nunca descamba para uma baixaria ou a falta de respeito. O teatro armado por Manu é por uma boa causa, mas não dura muito. A verdade vem à tona e a assistente social se recusa a aprovar o processo de adoção.

Nesse meio tempo, o médico perdeu de vez seu namorado, que não concorda com a forma como as coisas aconteceram e continua não querendo adotar nenhuma criança.

A solução para os problemas pode ser a argentina Fina (Pilar López de Ayala), uma imigrante ilegal que precisa obter cidadania francesa, para estudar e trabalhar no país. Ou seja, Fina pode ser a mãe de aluguel do bebê de Manu, e ele, o marido de fachada de que ela precisa.

Mas o diretor e roteirista resolve colocar uma série de obstáculos na vida de seus personagens -- não basta casar e engravidar, é um longo caminho até o nascimento da criança, cheio de meandros e reviravoltas.

"Baby Love" trata de um tema complexo e delicado de forma honesta sem cair na caricatura -- o que poderia acontecer facilmente. O universo dos personagens do filme situa-se longe dos problemas sociais que afetam a França atualmente -- em especial, as tensões entre nativos e imigrantes.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)