9 de Outubro de 2008 / às 11:26 / 9 anos atrás

Escritor francês Le Clézio é o novo Nobel de Literatura

<p>Jean-Marie Gustave Le Clezio. REUTERS/Benoit Tessier (FRANCE)</p>

Por Niklas Pollard

ESTOCOLMO (Reuters) - O escritor francês Jean-Marie Gustave Le Clézio, descrito pela Academia Sueca como “nômade” devido a suas viagens pelo mundo, que se refletem em sua obra, recebeu nesta quinta-feira o prêmio Nobel de Literatura de 2008.

A Academia, que escolhe o ganhador do prestigioso prêmio de 10 milhões de coroas suecas (1,4 milhão de dólares), elogiou o escritor de 68 anos por seus romances cheios de aventura, ensaios e obras de literatura infantil.

“Suas obras têm um caráter cosmopolita. Francês, sim, porém mais do que isso, um viajante, cidadão do mundo, nômade”, disse Horace Engdahl, secretário permanente da Academia Sueca, em entrevista coletiva convocada para anunciar o laureado.

Nascido em Nice, Le Clézio mudou-se para a Nigéria com sua família aos 8 anos de idade. Escreveu seus primeiros trabalhos -- “Un Long Voyage” e “Oradi Noir” -- durante a viagem à Nigéria, que levou um mês.

De acordo com o site da Academia Sueca, ele estudou inglês numa universidade britânica e lecionou em instituições em Bangkok, Cidade do México, Boston, Austin e Albuquerque, entre outras.

Le Clézio passou longos períodos no México e América Central, e em 1975 se casou com uma marroquina. Desde os anos 1990 ele e sua mulher dividem seu tempo entre Albuquerque, no Novo México, Nice e a ilha de Maurício.

Seu primeiro romance foi “Le proces-verbal” (O Interrogatório), escrito quando tinha 23 anos. O livro recebeu o prêmio Renaudot na França.

Visto nos anos 1960 como escritor experimental, Le Clézio se interessou por muitos temas, incluindo o meio ambiente e a infância.

O livro que lhe deu fama foi “Desert”, de 1980, que, segundo a Academia Sueca, “contém magníficas imagens de uma cultura perdida no deserto do norte da África, contrastado com o retrato da Europa visto através do olhar de imigrantes indesejados”.

O ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, saudou o prêmio dado a Le Clézio.

“Esta honra magnífica coroa uma das criações literárias mais notáveis de nossos tempos e um dos estilos de escrita mais exigentes e inventivos”, disse Kouchner em comunicado à imprensa.

“De Albuquerque a Seul, de Nova York ao Panamá, de Londres a Lagos, Jean-Marie G. Le Clézio vive, viaja, conhece e ama muitos países, povos, civilizações e culturas”, acrescentou.

A fase que antecedeu a entrega do Nobel de Literatura deste ano foi dominada por controvérsia, depois de Engdahl ter dito que os Estados Unidos são demasiado insulares e não participam do “grande diálogo” da literatura mundial.

Feitos a uma agência de notícias, seus comentários desencadearam uma tempestade de reações iradas de escritores e críticos norte-americanos.

A última vez em que o prêmio Nobel de Literatura foi dado a um americano foi em 1993, quando a premiada foi a romancista Toni Morrison.

Todos os prêmios Nobel, exceto um, foram criados no testamento do magnata Alfred Nobel e são entregues desde 1901. O Nobel de Economia foi criado pelo Banco Central sueco em 1968.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below