9 de Outubro de 2008 / às 17:32 / 9 anos atrás

ESTRÉIA-"Fatal" não faz justiça ao universo de Philip Roth

<p>O ator Ben Kingsley, protagonista do filme "Fatal", inspirado no livro "O Animal Agonizante", de Philip Roth REUTERS/Mark Blinch (CANADA)</p>

SÃO PAULO (Reuters) - Philip Roth, um dos maiores escritores norte-americanos vivos, ainda merece uma boa adaptação para o cinema. O filme “Fatal” passa longe da contundência de sua fonte, a novela “O Animal Agonizante”.

A história combina dois temas recorrentes da obra do autor: desejo sexual e a proximidade da morte. Porém, a diretora espanhola Isabel Coixet esbarra em algo que passa longe da obra de Roth: sentimentalismo raso. O filme estréia nesta sexta em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Ben Kingsley possui uma visão mais acurada do personagem que interpreta do que Coixet da história que conta e onde poderia chegar.

Ele é David Kepesh, uma espécie de celebridade literário-acadêmica com programa no rádio e aparições esporádicas na televisão. Um figura típica do universo de Roth, um homem de meia idade e decididamente egoísta, que vê no prazer sexual a forma de passar seus últimos anos.

Sua mais nova conquista é Consuela, vivida por Penélope Cruz --um objeto do desejo exalando a juventude que no corpo de Kepesh deixou de existir dando lugar à decadência.

Ela, porém, vê no professor muito mais --um homem com quem gostaria de viver uma relação sólida. Ele é incapaz de se comprometer com alguém além da cama. Por isso, visitas periódicas de sua antiga amante Carolyn (Patricia Clarkson) parecem normais para ele.

Já é mais que um consenso que uma boa adaptação literária para o cinema não é aquela que se mantém fiel ao livro, mas o filme capaz de captar o tom e as idéias do original. “Fatal” se apóia numa obra que tem uma pegada tão forte que, quando se vê o filme, não se reconhece muito da força de Roth.

Há diálogos e passagens quase literais na tela --o problema no filme não está na adaptação, mas na forma como o livro é interpretado.

Kepesh e Consuela vivem um relacionamento conturbado, principalmente porque ele não sabe lidar com o que está acontecendo. Há mais de um animal agonizante no livro --tanto na forma metafórica quando na real. São eles que fazem o protagonista se lembrar da fragilidade da existência.

O roteiro, de Nicholas Meyers (o mesmo que assinou a adaptação de “A Marca Humana”, também de Roth, lançado no Brasil como “Revelações”), parece correr numa via paralela ao texto do autor, com medo de o tomar para si.

O notado esforço de Penélope Cruz não encontra um diálogo com o excessivo egoísmo de Kingsley e seu personagem. Há uma bela cena no filme --vinda do livro-- quando finalmente vem à tona a fugacidade da existência do corpo. É um momento quase no final do filme que deveria servir para reflexão e provocação, mas a resolução que Coixet e Meyers dão à história implora um sentimentalismo barato que mesmo um animal agonizante não merece.

Por Alysson Oliveira, do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below