Ameaçado de morte, autor de "Gomorra" diz que vai deixar Itália

quarta-feira, 15 de outubro de 2008 11:54 BRT
 

Por Stephen Brown

ROMA (Reuters) - O escritor italiano Roberto Saviano, autor do best-seller "Gomorra," sobre a máfia de Nápoles e que acaba de ganhar uma versão para o cinema, quer deixar a Itália para tentar levar uma vida mais normal, depois de ouvir que a máfia o quer ver morto até o Natal.

Depois de relatos de que a Camorra, como é conhecida a máfia napolitana, acrescentou caráter de urgência a sua ameaça de matar o escritor, Saviano, de 29 anos e que há dois anos vive na clandestinidade, disse que está cansado de ser prisioneiro do sucesso de seu livro.

"Vou deixar a Itália, pelo menos por algum tempo, e depois verei", disse ele ao jornal La Repubblica.

"No momento não vejo porque eu deva continuar a viver assim, prisioneiro de mim mesmo, de meu livro, de meu sucesso. Dane-se o sucesso. Quero uma vida, só isso", disse Saviano.

"Quero poder andar na rua, tomar sol, andar na chuva, visitar minha mãe sem assustá-la e sem sentir medo."

Lançado em 2006 e narrado por um garoto local que viu sua primeira vítima de um assassinato ainda aos 13 anos, o livro mostra como a Camorra domina a vida em Nápoles e ganha seu dinheiro. A obra já vendeu 1,2 milhão de cópias na Itália e foi traduzido para 42 línguas.

Saviano trabalhou em uma empresa têxtil e outra de construção controladas pela máfia para pesquisar seu livro, que relata o envolvimento da Camorra em esquemas de proteção, tráfico de drogas, contrabando e até mesmo coleta ilegal de lixo.

Agora que "Gomorra" chegou ao cinema e é candidato ao Oscar, consta que a Camorra está ainda mais furiosa e quer matar Saviano até o fim do ano.   Continuação...