24 de Outubro de 2008 / às 20:30 / em 9 anos

Diretor de "Cristiane F." nega apologia à gangue Baader-Meinhof

<p>O diretor Uli Edel posa durante evento para seu filme "The Baader Meinhof Complex" no festival de cinema de Roma em 24 de outubro. Edel disse na sexta-feira que tentou retratar tanto o fasc&iacute;nio quanto o horror suscitados pelo grupo Baader-Meinhof, o movimento guerrilheiro de esquerda que &eacute; o tema de seu filme mais recente. REUTERS/Alessandro Bianchi</p>

Por Silvia Aloisi

ROMA (Reuters) - O diretor alemão Uli Edel disse na sexta-feira que tentou retratar tanto o fascínio quanto o horror suscitados pelo grupo Baader-Meinhof, o movimento guerrilheiro de esquerda que é o tema de seu filme mais recente.

“The Baader Meinhof Complex”, que está sendo exibido no Festival de Cinema de Roma, conta a história dos membros fundadores da facção e da trilha de sangue que deixaram em sua esteira, em uma década de atentados a bomba, sequestros e assassinatos.

Rodado em estilo documentário e baseado no best-seller de Stefan Aust, o filme foi escolhido para representar a Alemanha na categoria melhor filme em língua estrangeira no Oscar 2009.

Na Alemanha, onde estreou no mês passado, o filme reacendeu a discussão sobre um capítulo sangrento da Alemanha pós-nazista que ainda assombra o país.

“The Baader Meinhof Complex” dividiu a crítica. Alguns críticos acharam que o filme glamouriza os militantes, representados por alguns dos atores mais famosos da Alemanha, e não deu atenção suficiente ao sofrimento das vítimas e suas famílias.

“Meu objetivo foi levar as pessoas a enfrentar a realidade daqueles anos e também mostrar que alguns dos personagens podiam parecer cool e atraentes, mas depois mostrar-se aterrorizantes”, disse Edel a jornalistas depois da sessão em que o filme foi mostrado à imprensa.

“Meu país ainda não se reconciliou com aquele período, e espero que o filme promova esse debate.”

Aust, cujo livro é considerado uma obra de referência sobre a guerrilha, acrescentou: “Trata-se de história, mas as pessoas ainda são afetadas por ela, como se tivesse acontecido ontem”.

A Facção do Exército Vermelho (FEV), também conhecida como Gangue Baader-Meinhof devido a seus fundadores, Andreas Baader e Ulrike Meinhof, nasceu dos movimentos de protesto estudantil e contra a guerra do Vietnã na Alemanha Ocidental do final dos anos 1960.

O grupo é suspeito de ter matado 34 pessoas entre 1970 e 1991, quando uma “segunda geração” de militantes levou adiante o que tinha sido iniciado por Baader e Meinhof, que cometeram suicídio na prisão, respectivamente em 1976 e 1977. O movimento se desfez em 1998.

Conhecido fora de seu país sobretudo por seu filme de 1981 “Eu, Christiane F. - 13 Anos, Drogada e Prostituída”, sobre uma adolescente viciada em heroína, Edel disse que também ele, quando universitário, num primeiro momento se solidarizou com a o grupo, como muitos outros jovens alemães na época.

“Relatei a história da maneira como a vivemos. Eu era fascinado por eles, e isso continuou até determinado ponto. O filme mostra claramente o ponto em que o fascínio virou horror e as pessoas não conseguiam mais identificar-se com eles.”

Descrito como o filme mais caro da história alemã, “The Baader Meinhof Complex” intercala imagens noticiosas da época com reconstruções precisas dos ataques desferidos pelos militantes. Segundo Edel, até o número de balas usado em cada assassinato é fiel à história real.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below